Fórum de Discussão Contactos

Últimos vinhos

arrow Bouchard Père & Fils Chassagne Montrachet 2006
arrow Brites de Aguiar 2006
arrow Casa de Santar Reserva branco 2007
arrow Casa do Lago Fernão Pires 2007
arrow Caves São João Reserva 2005
arrow Fiuza Premium Touriga Nacional / Cabernet Sauvignon 2006
arrow Fonseca 20 Anos (Engarrafado em 2007)
arrow Herdade de São Miguel Colheita Seleccionada 2007
arrow Hetszolo Tokaj Late Harvest 2006
arrow Muros Antigos Alvarinho 2007
arrow Pape 2006
arrow Poças Vintage 2005
arrow Quatro Caminhos Reserva 2005
arrow Quinta de Baixo Reserva branco 2006
arrow Quinta do Côro Cabernet Sauvignon 2005
arrow Quinta Vale da Raposa Tinto Cão 2004
arrow Remelluri Reserva 2003
arrow Terras de Lantano Albariño 2006
arrow Venâncio da Costa Lima Moscatel de Setúbal Reserva 2001
arrow Bacalhôa Moscatel Roxo 1998

Visita à Quinta dos Cozinheiros

divider
Quinta dos Cozinheiros
Autor:Tiago Teles
Data: 15 de Março de 2003
Tema: Reportagem


Deixámos Lisboa em direcção à Figueira da Foz, num dia solarengo de "Primavera" preparado a preceito pela natureza. A viagem foi calma e rápida. Após os 150 km de auto-estrada, saímos em direcção à Figueira da Foz. A proximidade à localidade da Marinha das Ondas é sentida ao penetrar nos densos pinhais da região. Esta barreira de vegetação, criada para conter o avanço das areias do mar, indica-nos a proximidade do oceano. Estamos a 10 km do mar, e a aragem fresca vinda de noroeste já se nota.

Para nos receber com um espumante rosé ( colheita 2001, ainda não comercializada) estava José Mendonça , o responsável pelo arrojado projecto da Quinta dos Cozinheiros. Seguiu-se a visita às vinhas, divididas em três parcelas diferentes. Começámos por conhecer as mais velhas, com aproximadamente 50 anos de idade, "responsáveis" pelo tinto Quinta dos Cozinheiros Lagar e pelo branco Quinta dos Cozinheiros. Não existe uma separação física entre as diferentes castas plantadas, onde predominam a Baga (ou Poeirinho, como é conhecida localmente) nos tintos, e a Maria Gomes (ou Fernão Pires) nos brancos. Nas suas explicações o produtor revelou um profundo domínio do processo produtivo, do tratamento da vinha e do trabalho enológico. Apesar da difícil localização geográfica da Quinta, o empenho e conhecimentos técnicos do produtor, que conta com a colaboração técnica de Luís Pato, prometem conduzi-lo a bom porto.

A "educação" da vinha, na Quinta dos Cozinheiros, quebra com a tradicional condução utilizada na região. Os braços da vinha são conduzidos ao longo do arame inferior, crescendo a folhagem através dos arames superiores. Dessa forma evitam-se os elevados graus de humidade que em bagos fechados e compactos, fazem com que a podridão grasse.

Para visitar a segunda parcela de vinha foi necessário recorrer ao carro. Esta parcela, com aproximadamente 5 ha, está inserida num pequeno vale rodeado por um pinhal. As castas predominantes continuam a ser a Baga nos tintos e a Maria Gomes nos brancos. Esta vinha dá origem ao tinto Quinta dos Cozinheiros Poeirinho e ao branco Quinta do Cozinheiros Maria Gomes. Visitámos, também, uma parcela nova de vinha, com 3 anos, plantada exclusivamente com Touriga Nacional, e que ocupa sensivelmente 3 ha. O produtor deposita grande esperança nos resultados que a Touriga Nacional poderá ter nesta zona de influência atlântica. No total, estão plantados cerca de 12 ha de vinha.

Seguiu-se uma visita à adega. A tecnologia está bem presente, com máquinas e sistemas modernos a suportarem o tratamento enológico das uvas. A sala das cubas inox, os lagares e as caves de estágio, comprovaram a excelente organização e higiene das instalações enológicas deste produtor. Mas sobretudo existem uma combinação curiosa entre tecnologia e tradição. Senão veja-se o exemplo dos lagares, tradicionais, mas com controlo de temperatura e rigoroso controlo sanitário.

Entretanto, era chegado o momento para o almoço. O magnífico arroz de lampreia foi acompanhado por diversos vinhos, dos quais já não recordo a sequência. Apesar da colheita de 1998 representar o primeiro lançamento comercial, o Quinta dos Cozinheiros Lagar 1998 revelou ter qualidades de envelhecimento. O Quinta dos Cozinheiros Lagar 2000 e o Quinta dos Cozinheiros Poeirinho 2000 bateram-se bem com a comida, um excelente arroz de lampreia, embora sejam vinhos um pouco mais rústicos.

Destaque para o excelente branco Quinta dos Cozinheiros 2001 que, com o seu aroma mineral e frutado, completado por uma boca untuosa e saborosa, marcou um estilo bastante apetecível e original. Pareceu ser uma boa aposta.

Tivemos também o privilégio de provar a "Utopia" do produtor. O vinho é da colheita de 2001 (segundo José Mendonça, uma excelente colheita na zona), realizado com 100% Baga (o futuro promete um lote com a Touriga Nacional), e que terá o nome Utopia. Provado em amostra de barrica, o vinho revela uma força aromática impressionante. Na boca, a sua austeridade é evidente, revelando a necessidade de tempo em garrafa para harmonizar. A produção será reduzida a 1000 garrafas mas promete ser uma excelente aposta. Terminámos com dois ensaios interessantes , duas Jeropigas - uma branca, feita de Maria Gomes, e outra tinta, feita de Água Santa. Interessante de aromas a Maria Gomes, a oscilar entre o doce e o seco, menos conseguida a de Água Santa, demasiado doce e incaracterística. O regresso a Lisboa fez-se pela noite dentro.


 
 

Dados sobre o Produtor
 
Contactos: Quinta dos Cozinheiros, Marinha das Ondas, 3080-485
Património: Quinta dos Cozinheiros e diversas parcelas de terreno espalhadas.
Dados naturais: 12 ha vinha plantada.
Enólogo: Como enólogo conselheiro Luís Pato, como viticultor conselheiro César Almeida e como enólogo residente Ângelo de Jesus.
 
Vinhos
 
Brancos: Quinta dos Cozinheiros; Quinta dos Cozinheiros Maria Gomes.
Tintos: Quinta dos Cozinheiros Lagar; Quinta dos Cozinheiros Poeirinho, Utopia.