Fórum de Discussão Contactos

Últimos vinhos

arrow Bouchard Père & Fils Chassagne Montrachet 2006
arrow Brites de Aguiar 2006
arrow Casa de Santar Reserva branco 2007
arrow Casa do Lago Fernão Pires 2007
arrow Caves São João Reserva 2005
arrow Fiuza Premium Touriga Nacional / Cabernet Sauvignon 2006
arrow Fonseca 20 Anos (Engarrafado em 2007)
arrow Herdade de São Miguel Colheita Seleccionada 2007
arrow Hetszolo Tokaj Late Harvest 2006
arrow Muros Antigos Alvarinho 2007
arrow Pape 2006
arrow Poças Vintage 2005
arrow Quatro Caminhos Reserva 2005
arrow Quinta de Baixo Reserva branco 2006
arrow Quinta do Côro Cabernet Sauvignon 2005
arrow Quinta Vale da Raposa Tinto Cão 2004
arrow Remelluri Reserva 2003
arrow Terras de Lantano Albariño 2006
arrow Venâncio da Costa Lima Moscatel de Setúbal Reserva 2001
arrow Bacalhôa Moscatel Roxo 1998

O pragamtismo Méo-Camuzet

divider
O pragmatismo Méo-Camuzet
Autor: Tiago Teles
Data: Paris, 04 de Dezembro de 2007
Tema: Reportagem


Méo-Camuzet é um produtor mítico no universo dos enófilos borgonheses. A forma como os seus vinhos se reinventam com o passar dos anos tem garantido um fiel grupo de consumidores que escoam a pequena produção mesmo antes de ela chegar ao mercado. Controlada pela família desde 1959, o nome Méo-Camuzet alcança o seu estatuto actual no final da década de 80, trabalhando parcelas míticas como Échezeaux, Richebourg, Clos Vougeot e Corton Clos Rognet. Profundamente inspirado por Henry Jayer, um dos grandes nomes da viticultura no século XX na Borgonha, Jean Nicolas Méo é uma figura atípica numa região influenciada por “artesões”, é um parisiense exilado na Borgonha. A sua aparência aristocrata, a sua forma calma e pensada de se exprimir, o seu pragmatismo, deixam antever uma educação cuidada, uma educação pensada para o sucesso e para os desafios da sociedade moderna.

Iniciou o seu percurso há cerca de 20 anos, "numa época favorável". Faz parte de uma geração que reformou a imagem Borgonha, que inovou, que trouxe um espírito mais actual à região que emergia de um período mais difícil vivido durante as décadas de 60 e 70. "A região é complexa, essencialmente devido ao capricho da casta Pinot Noir, que começamos agora a perceber ser difícil de trabalhar fora da região". Efectivamente, a casta tem dificuldade em viajar. Trabalha-la é um ensaio misterioso. A prática tem indiciado que o Pinot Noir necessita mais de intuição que propriamente de ciência. Ouvir Jean Nicolas Méo é sentir a herança das referências humanas que o rodearam no seu percurso. “Segui um percurso progressivo, solitário mas apoiado e inspirado em duas fortes personalidades, Christian Fenoy e Henry Jayer”. Procura o equilíbrio entre natureza e civilização. “Tentar ser o mais biológico possível mas de forma pragmática é um bom compromisso. Não consigo seguir a norma biológica em todas as vinhas e em especial em alguns anos mais difíceis. A biodinâmica não me tenta".

Em 1999 iniciou uma actividade paralela de negociante, com a particularidade de idealizar contratos com base na superfície de exploração e não no rendimento. Para garantir o objectivo primordial de qualidade nos vinhos de negócio, as uvas compradas são, na íntegra, tratadas e colhidas pelo Domaine Méo-Camuzet. Uma espécie de acordo “chave na mão”. Conhece também os limites práticos desta actividade. Por isso não estende a actuação de negociante a parcelas classificadas de Grand Cru porque “isso implica níveis qualitativos difíceis de alcançar no molde de compra da uva”. Defende um trabalho de equipa e um envolvimento sem concessões. "Não há uma equipa dedicada exclusivamente à vinha e outra à adega. Toda a gente se implica em tudo". É optimista apesar do fundo pragmático. Os anos são sempre bons, nem que seja porque "estamos sempre contentes de vindimar. É uma descompressão enorme depois da vindima". Compreendemo-lo melhor quando fala de algumas colheitas recentes (Henry Jayer também colocava em valor a explicação de cada colheita!). "O ano de 2006 é equilibrado, perto do nível de uma grande colheita. Falta-lhe apenas um toque de concentração para alcançar o nível superior. O ano de 2007 é complicado na Borgonha mas a prova reserva algumas surpresas. É necessário sentir a evolução". Um pouco como 2004, enigmaticamente interessante. "Ambos os anos foram difíceis, com chuva e tempo fresco, um Agosto problemático no sentido de obrigar à presença na vinha num período de férias. Mas Setembro foi óptimo, com vento do quadrante norte, apanágio de bons vinhos na Borgonha. Em 2003 o ciclo vegetativo foi curto, ao invés do longo ciclo vivido em 2004 com 104 dias entre a flor e a vindima. O ano de 2001 é fresco, representando o classicismo com perfumes que apenas a Borgonha consegue reproduzir. A colheita de 1999 bate um recorde de luminosidade. Mas as noites frescas garantiram a acidez necessária. Abundante, sem necessidade de selecção. Homogénea. O controlo do rendimento foi importante". Na qualidade de um ano "conta muito o prazer que tivemos a vindimar. Em 2005 sentimos uma loucura do mercado". Terão sido as notas elevadas atribuídas pelos críticos? Troça de forma aprimorada, "fizemos o que tínhamos a fazer para acalmar essa loucura. Aumentámos os preços". Jean Nicolas Méo emana uma visão extremamente pragmática do equilíbrio necessário entre criador e Terroir, entre natureza e mercado. Um modelo de seriedade profissional, um exemplo de “nem tanto á terra nem tanto ao mar”!

 

Os vinhos

A prova decorreu no dia 04 de Dezembro 2007 na Caves Legrand (www.caves-legrand.com) em Paris. Os vinhos do Domaine Méo-Camuzet acabam por reflectir as convicções do seu criador. Reflectem impecavelmente o carácter e a especificidade de cada colheita, mantendo um nível qualitativo assinalável e uma identidade indispensável. Nos anos mais equilibrados, com maturações criteriosas, 1999, 2002 e 2004, os tintos alcançam uma harmonia e uma classe apenas possíveis de atingir nas enigmáticas parcelas da Côte de Nuits. Em colheitas mais maduras, como 2000, os vinhos tornam-se porventura demasiado dóceis e suaves. O único vinho branco disponível na gama é o Clos Saint Philibert, uma parcela situada em terra de tintos (Côte de Nuits) a uma altitude de 380m. Surpreendeu pela mistura de perfil entre Chablis e Merseault, surpreendeu pelo pragmatismo que desprendeu da sua alma. Com exepção do branco (20€), a principal dificuldade com os vinhos do Domaine Méo-Camuzet, no fundo com os grandes vinhos da Borgonha, continua a ser o seu preço limitativo. Para mais informação sobre os vinhos deste produtor aceder ao Site Internet: www.meo-camuzet.com.
 
Méo-Camuzet Clos Saint Philibert Hautes Côtes de Nuits blanc 2004
Méo-Camuzet Chambolle-Musigny 1er Cru Feusselottes 2004
Méo-Camuzet Vosne-Romanée 2004
Méo-Camuzet Vosne-Romanée 2001
Méo-Camuzet Vosne-Romanée 1999
Méo-Camuzet Clos Vougeot Grand Cru 2004
Méo-Camuzet Clos Vougeot Grand Cru 2002
Méo-Camuzet Clos Vougeot Grand Cru 2000