Fórum de Discussão Contactos

Últimos vinhos

arrow Bouchard Père & Fils Chassagne Montrachet 2006
arrow Brites de Aguiar 2006
arrow Casa de Santar Reserva branco 2007
arrow Casa do Lago Fernão Pires 2007
arrow Caves São João Reserva 2005
arrow Fiuza Premium Touriga Nacional / Cabernet Sauvignon 2006
arrow Fonseca 20 Anos (Engarrafado em 2007)
arrow Herdade de São Miguel Colheita Seleccionada 2007
arrow Hetszolo Tokaj Late Harvest 2006
arrow Muros Antigos Alvarinho 2007
arrow Pape 2006
arrow Poças Vintage 2005
arrow Quatro Caminhos Reserva 2005
arrow Quinta de Baixo Reserva branco 2006
arrow Quinta do Côro Cabernet Sauvignon 2005
arrow Quinta Vale da Raposa Tinto Cão 2004
arrow Remelluri Reserva 2003
arrow Terras de Lantano Albariño 2006
arrow Venâncio da Costa Lima Moscatel de Setúbal Reserva 2001
arrow Bacalhôa Moscatel Roxo 1998

VINHOS PROVADOS

divider
Batuta 1999
Produtor:Niepoort
D.O. / Zona:Douro
País:Portugal
Tipo de vinho:Tinto
Castas:Tinta Amarela, Tinta Roriz e Touriga Franca
Estágio:21 meses em barricas novas de carvalho francês
Graduação (% vol.):14,7
Enólogo:Dirk Niepoort
Preço:

Provado Por :Tiago Teles
Data da Prova:Abril 2003
Comentário prova:

Este famoso vinho português não necessita de apresentação. Depois do enorme sucesso que alcançou no seu lançamento, o vinho atravessa actualmente uma fase quase neutra. Esta constatação tornou-se evidente em alguns vinhos portugueses, subsistindo a dúvida se isso é sinal de falta de qualidade, ou sinal dum comportamento típico. Esta fase complicada, que alguns vinhos portugueses apresentam no seu envelhecimento, parece-me mais uma desculpa inventada por quem quer manter a imagem desses vinhos intocável.Bebido em prova cega. O nariz está fechado e com ligeiro desequilíbrio alcoólico. Sem agitar o copo predominam aromas a verniz. Volteando o vinho surgem aromas de chocolate, de fruto preto e de madeira.

Pontos(*):16.5

Provado Por :Pedro Gomes
Data da Prova:Junho 2002
Comentário prova:

Se tem medo do escuro evite olhar para ele porque é "de fugir". Se é contra a violência não o leve à boca porque vai ficar "knock-out". É isto que o espera ao aproximar-se deste vinho que, ainda fechado, é já um compêndio de aromas: notas minerais e terrosas dão o mote para um conjunto onde se misturam o fruto preto e as notas silvestres. Cola-se literalmente às paredes do copo e insinua-se com rara frescura, com a madeira e o poder alcoólico perfeitamente integrados. Demolidor na estrutura, imenso no extracto, grosso, com taninos suculentos, a pedir que o mastiguem e, ainda assim, refinado. Evolução em crescendo com um final inesquecível. Arrasador no estilo, excessivo na originalidade, é a expressão perfeita do seu terroir. Não será fácil escolher o casamento gastronómico ideal mas, em boa verdade, ninguém se quer divorciar dum vinho desta envergadura. Em contra-ciclo e à revelia do circuito «mainstream», reúne todas as condições para se tornar num vinho de culto. Não faz esquecer esse colosso que era o Batuta 95, mas apaga da memória a esmagadora maioria dos vinhos portugueses. Feito à imagem e semelhança de Dirk Niepoort... é um tinto enoooooorme!

Pontos(*):19