NovaCrítica-vinho.com - Índice do Fórum NovaCrítica-vinho.com
Forum de Discussão
 
 FAQFAQ   PesquisarPesquisar   MembrosMembros   GruposGrupos   RegistrarRegistrar 
 PerfilPerfil   Entrar e ver Mensagens ParticularesEntrar e ver Mensagens Particulares   EntrarEntrar 

Entrevista com Domingos Soares Franco /José Maria da Fonseca
Ir à página Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Próximo
 
Novo Tópico   Este Tópico está Bloqueado. Você não pode editar mensagens ou responder    NovaCrítica-vinho.com - Índice do Fórum -> Entrevistas On-line
Exibir mensagem anterior :: Exibir próxima mensagem  
Autor Mensagem
DSF



Registrado: Quinta-Feira, 12 de Fevereiro de 2009
Mensagens: 48
Localização: Azeitão

MensagemEnviada: Qui Fev 19, 2009 8:59 pm    Assunto: Responder com Citação

Pedro Gomes escreveu:
Caro Engenheiro Domingos Soares Franco,

Talvez por força da sua formação californiana (ou talvez não), sei que é um adepto confesso de muitos vinhos do chamado Novo Mundo. E isso leva-me a perguntar-lhe:

1- Na esmagadora maioria dos casos, continuamos a olhar para o confronto Velho Mundo/Novo Mundo como uma polémica geográfica. Ora, os conceitos envolvidos são, hoje, muito mais o resultado de diferentes abordagens enológicas do que o confronto entre espaços regionais. Partilha deste ponto de vista? Então porque razão se continua a "bater na mesma tecla"?


Para mim nada tem a ver com espaços regionais. Tem sim com conceitos de enologia totalmente diferentes. Por isso o Novo Mundo é muito mais inovador que o Velho Mundo (upsss, estalou a guerra!). Na mesma tecla bateu a Europa durante decadas e foi ultrapassada. A abertura dos enologos do Novo Mundo nada tem a ver com os do V. Mundo


Citação:
2- Coonawarra pode alcançar a excelência de Bordéus? Ou são duas abordagens distintas e, ambas plenamente válidas?


São duas abordagens totalmente diferentes. Tudo é diferente em ambos os lados. Em Bordeus tudo se mantem na mesma á decadas. Em Cooawarra tudo evolui permanentemente.

Citação:
3- Para que lado balança quando se vê confrontado entre a austeridade mineral dos brancos do Loire e a exuberância aromática dos Sauvignon Blanc de Marlborough e Martinborough? Ou é apologista da coabitação?


Quase sempre para os nossos antipodas.

Citação:
4- E uma região extraordinária na África do Sul?


Paarl

Citação:
5- E sempre é verdade que a casta Tannat no Uruguai... é o céu austral?


É muito boa, mas tanto? Não exageremos

Citação:
Um grande abraço e... até já!

Pedro


Abraço
_________________
DSF
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Visitar a homepage do Usuário
Pedro Gomes



Registrado: Segunda-Feira, 25 de Outubro de 2004
Mensagens: 1102
Localização: Lisboa

MensagemEnviada: Qui Fev 19, 2009 9:37 pm    Assunto: Responder com Citação

Caro Engenheiro Domingos Soares Franco,

Melhor era difícil. A este ritmo corriamos o risco de ficar aqui indefinidamente. Vou avançar para a último série de perguntas: sempre mais ligeiras, ainda que a resposta possa não ser tão fácil como à priori sugerem:

1- Uma região vitivinícola absolutamente desconcertante (não pode ser a Península de Setúbal)?

2- Um branco de toda uma vida (não pode ser da casa)?

3- Um tinto inesquecível (excluindo os da JMF)?

4- Um Moscatel... do fim do mundo (este pode ser da casa)?

5- Uma mensagem aos foristas... e aos leitores em geral.

Um grande abraço e... até já!

Pedro
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
valtercosta72



Registrado: Segunda-Feira, 5 de Março de 2007
Mensagens: 313

MensagemEnviada: Qui Fev 19, 2009 10:11 pm    Assunto: Responder com Citação

Pedro Gomes escreveu:

4- Um Moscatel... do fim do mundo (este pode ser da casa)?

Pedro a esta vou responder. Um dos moscateis superior da década de 60.
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
Pedro Gomes



Registrado: Segunda-Feira, 25 de Outubro de 2004
Mensagens: 1102
Localização: Lisboa

MensagemEnviada: Qui Fev 19, 2009 10:20 pm    Assunto: Responder com Citação

valtercosta72 escreveu:
Pedro Gomes escreveu:

4- Um Moscatel... do fim do mundo (este pode ser da casa)?

Pedro a esta vou responder. Um dos moscateis superior da década de 60.


E vai propor o 1962 ou o 1965?

Um grande abraço e... até já!

Pedro
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
DSF



Registrado: Quinta-Feira, 12 de Fevereiro de 2009
Mensagens: 48
Localização: Azeitão

MensagemEnviada: Qui Fev 19, 2009 10:26 pm    Assunto: Responder com Citação

Pedro Gomes escreveu:
Caro Engenheiro Domingos Soares Franco,


Ora bem! Em primeiro lugar quero agradecer á NOVA CRITICA - VINHO por este extraordinario desafio que me colocaram á uns meses. Ao principio achei que tinha que ser. Nunca mais me lembrei até 2ª feira passada. Aí disse para com os meus botões "que chatice não tenho jeito para isto e quero ter o tempo para mim próprio". Como se diz em inglês WRONG !! Foi talvez a entrevista que mais aprendi, mais me diverti, mais me exprimi (lá há-de vir o dia em que irei mais longe!), mais erros fiz em caligrafia ( se as minhas professoras da primaria "Avó Ceú" e "D. Maria Clotilde" vissem isto, não sei que me faziam) e a semana que menos trabalhei lá no JMF.
Parabéns a toda a equipe da NOVA CRITICA - VINHO por esta louvavel iniciativa. Aos foristas aquele abraço e quando quizerem fazer um bate-pape comigo, já sabem por onde ando e quais as minhas ideias do mundo vitivinicula.
Quanto ás perguntas que o Pedro me fez agora, prometo que responderei amanhã. São de muita responabilidade (as outras tambem tantos ou mais importantes e de responsabilidade, mas estas ...) etenho que pensar muito bem.
Prometido será devido, amanhã responderei


Citação:
Melhor era difícil. A este ritmo corriamos o risco de ficar aqui indefinidamente. Vou avançar para a último série de perguntas: sempre mais ligeiras, ainda que a resposta possa não ser tão fácil como à priori sugerem:

1- Uma região vitivinícola absolutamente desconcertante (não pode ser a Península de Setúbal)?

2- Um branco de toda uma vida (não pode ser da casa)?

3- Um tinto inesquecível (excluindo os da JMF)?

4- Um Moscatel... do fim do mundo (este pode ser da casa)?

5- Uma mensagem aos foristas... e aos leitores em geral.

Um grande abraço e... até já!

Pedro


Um forte abraço, Pedro
_________________
DSF
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Visitar a homepage do Usuário
DSF



Registrado: Quinta-Feira, 12 de Fevereiro de 2009
Mensagens: 48
Localização: Azeitão

MensagemEnviada: Qui Fev 19, 2009 10:43 pm    Assunto: Responder com Citação

Pedro Gomes escreveu:
valtercosta72 escreveu:
Pedro Gomes escreveu:

4- Um Moscatel... do fim do mundo (este pode ser da casa)?

Pedro a esta vou responder. Um dos moscateis superior da década de 60.


E vai propor o 1962 ou o 1965?

Um grande abraço e... até já!

Pedro


Bom aqui posso já responder. Bebi excelentes moscateis australianos em provas cegas na faculdade em Davis, bebi uma vez o tal Moscatel de Constancia da Africa do Sul que me surpreendeu deveras! MAs que me ficassem na boca, foram dois de lá de casa: 1955 e 1902. O primeiro pela fruta, acidez, equilibrio, supless que tem (o melhor de sempre, lá de casa). O segundo pela textura, cor (preto esverdeado), consistência, estrutura e sei lá que mais. No final do meu curso, levei 12 colheitas para a Faculdade de U C Davis para fazer analises quimicas e sensoriais. Destas ultimas o 1902 teve 20 de um possivel de 20. Nunca lá tinham dado tal nota !!
Ambos são extraordinarios !! É pena não estarem disponiveis para prova devido á sua escassez (desculpem lá meus caros foristas). Acrteditem nas minhas palavras.´

Abraço
_________________
DSF
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Visitar a homepage do Usuário
Pedro Gomes



Registrado: Segunda-Feira, 25 de Outubro de 2004
Mensagens: 1102
Localização: Lisboa

MensagemEnviada: Qui Fev 19, 2009 11:09 pm    Assunto: Responder com Citação

DSF escreveu:


Bom aqui posso já responder. Bebi excelentes moscateis australianos em provas cegas na faculdade em Davis, bebi uma vez o tal Moscatel de Constancia da Africa do Sul que me surpreendeu deveras! MAs que me ficassem na boca, foram dois de lá de casa: 1955 e 1902. O primeiro pela fruta, acidez, equilibrio, supless que tem (o melhor de sempre, lá de casa). O segundo pela textura, cor (preto esverdeado), consistência, estrutura e sei lá que mais. No final do meu curso, levei 12 colheitas para a Faculdade de U C Davis para fazer analises quimicas e sensoriais. Destas ultimas o 1902 teve 20 de um possivel de 20. Nunca lá tinham dado tal nota !!
Ambos são extraordinarios !! É pena não estarem disponiveis para prova devido á sua escassez (desculpem lá meus caros foristas). Acrteditem nas minhas palavras.´

Abraço


Caro Engenheiro Domigos Soares Franco,

Afinal, um pequeno imprevisto... e aqui estou.

1- Sempre me "venderam" a história de que 1900, 1934 e 1965 eram os grandes anos do século XX para Moscatel. Afinal... em ficamos?

2- Já agora, aproveito a ocasião para que nos elucide sobre os chamemos-lhes anos "clássicos" de Moscatel do século passado?

Um grande abraço e até já!

Pedro
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
DSF



Registrado: Quinta-Feira, 12 de Fevereiro de 2009
Mensagens: 48
Localização: Azeitão

MensagemEnviada: Qui Fev 19, 2009 11:34 pm    Assunto: Responder com Citação

Pedro Gomes escreveu:
DSF escreveu:


Bom aqui posso já responder. Bebi excelentes moscateis australianos em provas cegas na faculdade em Davis, bebi uma vez o tal Moscatel de Constancia da Africa do Sul que me surpreendeu deveras! MAs que me ficassem na boca, foram dois de lá de casa: 1955 e 1902. O primeiro pela fruta, acidez, equilibrio, supless que tem (o melhor de sempre, lá de casa). O segundo pela textura, cor (preto esverdeado), consistência, estrutura e sei lá que mais. No final do meu curso, levei 12 colheitas para a Faculdade de U C Davis para fazer analises quimicas e sensoriais. Destas ultimas o 1902 teve 20 de um possivel de 20. Nunca lá tinham dado tal nota !!
Ambos são extraordinarios !! É pena não estarem disponiveis para prova devido á sua escassez (desculpem lá meus caros foristas). Acrteditem nas minhas palavras.´

Abraço


Caro Engenheiro Domigos Soares Franco,

Afinal, um pequeno imprevisto... e aqui estou.

1- Sempre me "venderam" a história de que 1900, 1934 e 1965 eram os grandes anos do século XX para Moscatel. Afinal... em ficamos?

Já estava a prever este pequeno imprevisto. O que lhe "venderam" está correcto para aquelas colheitas que teem quantidades para comercializar. Mas as campeãs são 1902 e 1955. Penso que numa prova vertical que fizemos á uns anos, estas duas colheitas estavam lá.

Citação:
2- Já agora, aproveito a ocasião para que nos elucide sobre os chamemos-lhes anos "clássicos" de Moscatel do século passado?

Do que provei da nossa colecção:

1880, 1900, 1902, 1911, 1918, 1925, 1934, 1945, 1955, 1965, 1966. A outra metade fica para amanhã, ok? Isto é Markting !!

Citação:
Um grande abraço e até já!

Pedro


Abraço
_________________
DSF
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Visitar a homepage do Usuário
NCritica
Site Admin


Registrado: Segunda-Feira, 22 de Janeiro de 2007
Mensagens: 212
Localização: Portugal

MensagemEnviada: Qui Fev 19, 2009 11:47 pm    Assunto: Responder com Citação

Caros foristas,

A possibilidade de colocarem perguntas ao Engenheiro Domingos Soares Franco expira hoje. Amanhã... só respostas!

E, portanto, agora é a altura indicada para questões ou dúvidas que queiram ver esclarecidas.

Esperamos que tenham gostado.

Nova Crítica-vinho
Tiago Teles
Pedro Gomes
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Enviar E-mail Visitar a homepage do Usuário
DSF



Registrado: Quinta-Feira, 12 de Fevereiro de 2009
Mensagens: 48
Localização: Azeitão

MensagemEnviada: Qui Fev 19, 2009 11:57 pm    Assunto: Responder com Citação

NCritica escreveu:
Caros foristas,

A possibilidade de colocarem perguntas ao Engenheiro Domingos Soares Franco expira hoje. Amanhã... só respostas!

E, portanto, agora é a altura indicada para questões ou dúvidas que queiram ver esclarecidas.

Esperamos que tenham gostado.

Nova Crítica-vinho
Tiago Teles
Pedro Gomes


Cá estarei até ao fim da reta final para responder ao que souber.
_________________
DSF
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Visitar a homepage do Usuário
Pedro Gomes



Registrado: Segunda-Feira, 25 de Outubro de 2004
Mensagens: 1102
Localização: Lisboa

MensagemEnviada: Sex Fev 20, 2009 12:33 am    Assunto: Responder com Citação

DSF escreveu:
Pedro Gomes escreveu:
DSF escreveu:


Bom aqui posso já responder. Bebi excelentes moscateis australianos em provas cegas na faculdade em Davis, bebi uma vez o tal Moscatel de Constancia da Africa do Sul que me surpreendeu deveras! MAs que me ficassem na boca, foram dois de lá de casa: 1955 e 1902. O primeiro pela fruta, acidez, equilibrio, supless que tem (o melhor de sempre, lá de casa). O segundo pela textura, cor (preto esverdeado), consistência, estrutura e sei lá que mais. No final do meu curso, levei 12 colheitas para a Faculdade de U C Davis para fazer analises quimicas e sensoriais. Destas ultimas o 1902 teve 20 de um possivel de 20. Nunca lá tinham dado tal nota !!
Ambos são extraordinarios !! É pena não estarem disponiveis para prova devido á sua escassez (desculpem lá meus caros foristas). Acrteditem nas minhas palavras.´

Abraço


Caro Engenheiro Domigos Soares Franco,

Afinal, um pequeno imprevisto... e aqui estou.

1- Sempre me "venderam" a história de que 1900, 1934 e 1965 eram os grandes anos do século XX para Moscatel. Afinal... em ficamos?

Já estava a prever este pequeno imprevisto. O que lhe "venderam" está correcto para aquelas colheitas que teem quantidades para comercializar. Mas as campeãs são 1902 e 1955. Penso que numa prova vertical que fizemos á uns anos, estas duas colheitas estavam lá.

Citação:
2- Já agora, aproveito a ocasião para que nos elucide sobre os chamemos-lhes anos "clássicos" de Moscatel do século passado?

Do que provei da nossa colecção:

1880, 1900, 1902, 1911, 1918, 1925, 1934, 1945, 1955, 1965, 1966. A outra metade fica para amanhã, ok? Isto é Markting !!

Citação:
Um grande abraço e até já!

Pedro


Abraço


Caro Engenheiro Domingos Soares Franco,

Dúvida esclarecida.

Mas, já agora, e porque ainda não chegámos ao dead-line, tenho que fazer mais duas perguntas. Os foristas e os leitores porventura menos familiarizados merecem esse esclarecimento: até porque são vinhos da José Maria da Fonseca ainda disponíveis no mercado.

1- O que pode um consumidor esperar ao tirar a rolha a um Roxo Superior 1971?

2- O que é o Trilogia? Consegue descrever em termos sensoriais aquilo que nos invade ao provar esse vinho?

Um grande abraço e... até já!

Pedro
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
Spice Girl



Registrado: Quarta-Feira, 4 de Janeiro de 2006
Mensagens: 6059
Localização: Lisboa

MensagemEnviada: Sex Fev 20, 2009 12:43 am    Assunto: Responder com Citação

Domingos Soares Franco

Quero agradecer-lhe o ter aceite o convite do Pedro e do Tiago. Mas, mais do que isso, tenho que agradecer a sua participação nesta entrevista. Extremamente valiosa, em termos de ideias e informação, e também do tempo que investiu nela. Very Happy Muito, muito obrigada.

Apesar de estar "de férias" não tenho perdido nem uma palavra. E, apesar da minha ignorância em relação a vinhos, não resisto a fazer-lhe também umas perguntas. Apesar de estar de férias... olhei para o relógio e pensei - faltam 50 minutos para acabar a entrevista, é agora ou nunca! Aqui vão...

1- Sei que a José Maria da Fonseca tem tido projectos de colaboração com investigadores da FCT/UNL (a minha faculdade). Como é, e como considera que seria desejável que fosse, a ligação entre a indústria de vinhos e a comunidade científica em Portugal?

2 - Em que consiste, em termos gerais, o processo que usam para extrair o alcool do vinho?

3 - Ao longo de cerca três décadas ligado à produção de vinho, teve certamente oportunidade de se aperceber também da evolução das características do consumidor. Como a caracteriza?
É gratificante trabalhar hoje para o consumidor português? Ou seja, o nível de conhecimentos e a sensibilidade permite-lhe compreender o que lhe quer transmitir com os seus vinhos?

4 - Pensa que numa época, como esta em que vivemos, em que se vive essencialmente o presente, com uma grande mobilidade (em termos físicos e da vida em geral), caracterizada pela busca do prazer imediato e pela impaciência e a busca da novidade, e em que, para além disto, os espaços são cada vez menores e mais caros (nas habitações e no comércio), a cultura dos vinhos velhos têm alguma hipótese? (A não ser, claro, para alguns consumidores com características especiais.)

5 - Se se olhar para as prateleiras de vinhos em qualquer loja, nota-se (no geral) uma alteração (relativamente recente parece-me) no design do rótulos. Um design bem diferente do tradicional, com muito mais cor, e em geral umas cores pouco habituais para o vinho.
Eu pessoalmente associo este tipo de design a uma certa leveza, pouca profundidade e pouca complexidade.
Não é que tudo tenha que ser complexo e pesado, mas há várias formas de não o ser... e a mim pessoalmente este tipo de design não me atrai pela imagem que transmite.

Significa esta alteração dos rótulos que a atitude do público também está a mudar muito relativamente ao que esperam do vinho e à forma como bebem?

6 - Há cada vez mais mulheres ligadas a vários aspectos relacionados com a produção de vinhos. Há cada vez mais mulheres a comprar e beber vinho. Há vinhos de mulheres? Há vinhos para mulheres? Ou seja há características proprias dos vinhos feitos por mulheres e/ou dos vinhos consumidos por mulheres?

7 - Qual é a sua opinião quanto à forma como os vinhos são tratados na restauração e a sua ligação à comida?
Tenho-me apercebido cada vez mais que raras são as pessoas com competências sólidas em ambas as áreas (sólidos e líquidos). Como optimizar as coisas?

8 - Neste momento cada vez são mais comuns menus com "wine pairing". Acha uma boa opção?

Aqui ficam as perguntas, vou acompanhar o resto da entrevista com o mesmo interesse. E apareça por aqui de vez em quando a conversar connosco. É um prazer tê-lo por cá.

Um beijinho

Paulina

PS
Fico contente por 1955 ter sido um grande ano para Moscatel! É que para mim também foi... Very Happy
_________________
"Inquisitiveness was a key feature." Heston Blumenthal
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Enviar E-mail
DSF



Registrado: Quinta-Feira, 12 de Fevereiro de 2009
Mensagens: 48
Localização: Azeitão

MensagemEnviada: Sex Fev 20, 2009 12:57 am    Assunto: Responder com Citação

Pedro Gomes escreveu:
DSF escreveu:
Pedro Gomes escreveu:
[quote

Bom aqui posso já responder. Bebi excelentes moscateis australianos em provas cegas na faculdade em Davis, bebi uma vez o tal Moscatel de Constancia da Africa do Sul que me surpreendeu deveras! MAs que me ficassem na boca, foram dois de lá de casa: 1955 e 1902. O primeiro pela fruta, acidez, equilibrio, supless que tem (o melhor de sempre, lá de casa). O segundo pela textura, cor (preto esverdeado), consistência, estrutura e sei lá que mais. No final do meu curso, levei 12 colheitas para a Faculdade de U C Davis para fazer analises quimicas e sensoriais. Destas ultimas o 1902 teve 20 de um possivel de 20. Nunca lá tinham dado tal nota !!
Ambos são extraordinarios !! É pena não estarem disponiveis para prova devido á sua escassez (desculpem lá meus caros foristas). Acrteditem nas minhas palavras.´

Abraço


Caro Engenheiro Domigos Soares Franco,

Afinal, um pequeno imprevisto... e aqui estou.

1- Sempre me "venderam" a história de que 1900, 1934 e 1965 eram os grandes anos do século XX para Moscatel. Afinal... em ficamos?

Já estava a prever este pequeno imprevisto. O que lhe "venderam" está correcto para aquelas colheitas que teem quantidades para comercializar. Mas as campeãs são 1902 e 1955. Penso que numa prova vertical que fizemos á uns anos, estas duas colheitas estavam lá.

Citação:
2- Já agora, aproveito a ocasião para que nos elucide sobre os chamemos-lhes anos "clássicos" de Moscatel do século passado?

Do que provei da nossa colecção:

1880, 1900, 1902, 1911, 1918, 1925, 1934, 1945, 1955, 1965, 1966. A outra metade fica para amanhã, ok? Isto é Markting !!

Citação:
Um grande abraço e até já!

Pedro


Abraço


Pedro Gomes escreveu:
Caro Engenheiro Domingos Soares Franco,

Dúvida esclarecida.

Pedro, a esta hora a pedir para descrever vinhoa?!?!!? Mas vamos lá..

Pedro Gomes escreveu:
Mas, já agora, e porque ainda não chegámos ao dead-line, tenho que fazer mais duas perguntas. Os foristas e os leitores porventura menos familiarizados merecem esse esclarecimento: até porque são vinhos da José Maria da Fonseca ainda disponíveis no mercado.

1- O que pode um consumidor esperar ao tirar a rolha a um Roxo Superior 1971?

A plenitude daquela casta, até agora demonstrada. Uma essência de aromas e paladares entrelaçados tipo carrocele que nunca mais acaba. Esta colheita mostra o potencial da casta entre jovem e meia idade. Algo sublime!! Deve ser apreciado ao longo dos tempos sem ter receio que o que fica na garrafa (se for possivel) se altere.

Pedro Gomes escreveu:
2- O que é o Trilogia? Consegue descrever em termos sensoriais aquilo que nos invade ao provar esse vinho?


É um lote daquelas 3 melhores colheitas (comercializaveis) do seculo passado.
Ao abrir a garrafa, sai uma aurelea de aromas não muito intensivos, mas agradaveis e um pouco austeres. Minutos após tudo se transforma, como que num turbilhão e temos uma onda de aromas terciarios conjugados por secundarios e mais houvessem!! Á medida que o vinho respira, torna-se impossivel descreve-lo. A transformação é constante. Entre mel, nozes, ainda alguma casca de laranja, tudo se combina. É quase impossivel de descrevê-lo....

Pedro Gomes escreveu:
Um grande abraço e... até já!

Pedro


Abraços e um muito obrigado a todos por esta magnifica experência que será inesquecível.

Domingos Soares Franco
"Fermentador"
_________________
DSF
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Visitar a homepage do Usuário
DSF



Registrado: Quinta-Feira, 12 de Fevereiro de 2009
Mensagens: 48
Localização: Azeitão

MensagemEnviada: Sex Fev 20, 2009 1:03 am    Assunto: Responder com Citação

Spice Girl escreveu:
Domingos Soares Franco

Quero agradecer-lhe o ter aceite o convite do Pedro e do Tiago. Mas, mais do que isso, tenho que agradecer a sua participação nesta entrevista. Extremamente valiosa, em termos de ideias e informação, e também do tempo que investiu nela. Very Happy Muito, muito obrigada.

Apesar de estar "de férias" não tenho perdido nem uma palavra. E, apesar da minha ignorância em relação a vinhos, não resisto a fazer-lhe também umas perguntas. Apesar de estar de férias... olhei para o relógio e pensei - faltam 50 minutos para acabar a entrevista, é agora ou nunca! Aqui vão...

1- Sei que a José Maria da Fonseca tem tido projectos de colaboração com investigadores da FCT/UNL (a minha faculdade). Como é, e como considera que seria desejável que fosse, a ligação entre a indústria de vinhos e a comunidade científica em Portugal?

2 - Em que consiste, em termos gerais, o processo que usam para extrair o alcool do vinho?

3 - Ao longo de cerca três décadas ligado à produção de vinho, teve certamente oportunidade de se aperceber também da evolução das características do consumidor. Como a caracteriza?
É gratificante trabalhar hoje para o consumidor português? Ou seja, o nível de conhecimentos e a sensibilidade permite-lhe compreender o que lhe quer transmitir com os seus vinhos?

4 - Pensa que numa época, como esta em que vivemos, em que se vive essencialmente o presente, com uma grande mobilidade (em termos físicos e da vida em geral), caracterizada pela busca do prazer imediato e pela impaciência e a busca da novidade, e em que, para além disto, os espaços são cada vez menores e mais caros (nas habitações e no comércio), a cultura dos vinhos velhos têm alguma hipótese? (A não ser, claro, para alguns consumidores com características especiais.)

5 - Se se olhar para as prateleiras de vinhos em qualquer loja, nota-se (no geral) uma alteração (relativamente recente parece-me) no design do rótulos. Um design bem diferente do tradicional, com muito mais cor, e em geral umas cores pouco habituais para o vinho.
Eu pessoalmente associo este tipo de design a uma certa leveza, pouca profundidade e pouca complexidade.
Não é que tudo tenha que ser complexo e pesado, mas há várias formas de não o ser... e a mim pessoalmente este tipo de design não me atrai pela imagem que transmite.

Significa esta alteração dos rótulos que a atitude do público também está a mudar muito relativamente ao que esperam do vinho e à forma como bebem?

6 - Há cada vez mais mulheres ligadas a vários aspectos relacionados com a produção de vinhos. Há cada vez mais mulheres a comprar e beber vinho. Há vinhos de mulheres? Há vinhos para mulheres? Ou seja há características proprias dos vinhos feitos por mulheres e/ou dos vinhos consumidos por mulheres?

7 - Qual é a sua opinião quanto à forma como os vinhos são tratados na restauração e a sua ligação à comida?
Tenho-me apercebido cada vez mais que raras são as pessoas com competências sólidas em ambas as áreas (sólidos e líquidos). Como optimizar as coisas?

8 - Neste momento cada vez são mais comuns menus com "wine pairing". Acha uma boa opção?

Aqui ficam as perguntas, vou acompanhar o resto da entrevista com o mesmo interesse. E apareça por aqui de vez em quando a conversar connosco. É um prazer tê-lo por cá.

Um beijinho

Paulina

PS
Fico contente por 1955 ter sido um grande ano para Moscatel! É que para mim também foi... Very Happy

Prometo resposta para amnhã, ok?
_________________
DSF
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Visitar a homepage do Usuário
alentejano



Registrado: Domingo, 27 de Outubro de 2002
Mensagens: 4168
Localização: Vila Viçosa

MensagemEnviada: Sex Fev 20, 2009 1:49 am    Assunto: Responder com Citação

Para a visita contem com mais 2.
_________________
João Pedro Carvalho
Alentejo, uma paixão.
http://copod3.blogspot.com
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Enviar E-mail Visitar a homepage do Usuário MSN Messenger
Mostrar os tópicos anteriores:   
Novo Tópico   Este Tópico está Bloqueado. Você não pode editar mensagens ou responder    NovaCrítica-vinho.com - Índice do Fórum -> Entrevistas On-line Todos os horários são GMT + 1 Hora
Ir à página Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Próximo
Página 6 de 7

 
Ir para:  
Enviar Mensagens Novas: Proibido.
Responder Tópicos Proibido
Editar Mensagens: Proibido.
Excluir Mensagens: Proibido.
Votar em Enquetes: Proibido.


Powered by phpBB © 2001, 2005 phpBB Group
Traduzido por: Suporte phpBB