NovaCrítica-vinho.com - Índice do Fórum NovaCrítica-vinho.com
Forum de Discussão
 
 FAQFAQ   PesquisarPesquisar   MembrosMembros   GruposGrupos   RegistrarRegistrar 
 PerfilPerfil   Entrar e ver Mensagens ParticularesEntrar e ver Mensagens Particulares   EntrarEntrar 

Entrevista com Nuno Mendes (Restaurante Bacchus)
Ir à página 1, 2, 3  Próximo
 
Novo Tópico   Este Tópico está Bloqueado. Você não pode editar mensagens ou responder    NovaCrítica-vinho.com - Índice do Fórum -> Entrevistas On-line
Exibir mensagem anterior :: Exibir próxima mensagem  
Autor Mensagem
NCritica
Site Admin


Registrado: Segunda-Feira, 22 de Janeiro de 2007
Mensagens: 212
Localização: Portugal

MensagemEnviada: Dom Nov 16, 2008 9:40 pm    Assunto: Entrevista com Nuno Mendes (Restaurante Bacchus) Responder com Citação

O Nuno Mendes nasceu em Portugal há cerca de 35 anos, cresceu por Lisboa e pelo Estoril, mas cedo teve consciência que o mundo era grande e vontade de o conhecer. Aos 18 anos foi para Miami estudar biologia marinha, mas percebeu que a sua carreira profissional não passaria pela biologia marinha, mas sim pela cozinha.

Estudou cozinha na California Culinary Academy, em San Francisco e, em seguida, partiu para descobrir outros mundos, e em particular os seus sabores. Viajou pela Europa e Ásia e parou em Londres, onde actualmente reside.

Em Londres foi nos últimos dois anos Chef do Restaurante Bacchus – um restaurante com um conceito de certa forma inovador, a que ficou associada a expressão “Fine Dining in Trainers”. O Bacchus rapidamente atraiu a atenção de gastrónomos um pouco por todo o lado e o trabalho do Nuno foi reconhecido e elogiado por muitos deles, mas também pela crítica. A passagem do Nuno pelo Bacchus terminou em Agosto deste ano. Neste momento o Nuno não está associado a nenhum restaurante e desenvolve a sua actividade profissional através da criação de eventos gastronómicos.

O Nuno desenvolveu uma forma de cozinha com forte influência asiática e de alguns sabores ibéricos e em que utiliza também algumas das novas técnicas de cozinha. Um trabalho que, reflectindo o seu percurso de vida e integrando todas as suas experiências, resulta numa cozinha muito própria, culta e actual. É uma cozinha divertida, surpreendente, com grandes preocupações estéticas, mas em que o papel principal é dado aos sabores, e que transmite e provoca emoções.

Obrigada Nuno por teres aceite o nosso desafio.

A entrevista está aberta. Satisfaçam a vossa curiosidade...

Web site: http://www.nunomendes.co.uk/



www.novacritica-vinho.com
Paulina Mata
Pedro Gomes
Tiago Teles
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Enviar E-mail Visitar a homepage do Usuário
nunoviajante



Registrado: Quinta-Feira, 13 de Novembro de 2008
Mensagens: 19
Localização: Londres

MensagemEnviada: Seg Nov 17, 2008 11:01 am    Assunto: Apresentacao de novos projectos Responder com Citação

Obrigado, pelo interesse nesta entrevista!
Eu posso acrescentar a minha biografia que estou neste momento a desenvolver um projecto aqui em Londres que sera uma continuacao do trabalho que fiz no Bacchus mas talvez um pouco mais polido e com uma infraestrutura muito mais forte mantendo mesmo assim o aspecto de casual fine dining e estou tambem neste momento a desenvolver um conceito para um restaurante que abrira em Junho do proximo ano em Shanghai. Este sera o primeiro teste do conceito de Ceviche bar e tapas Sul Americanas que mostrara o ceviche sob uma visao mais asiatica em que o peixe e tratado num estilo semelhante ao sashimi japones e em que o bar sera muito parecido com um sushi bar mas so ira utilizar ingredientes que se encontram na cozinha latino americana. Shanghai parece-me ser um bom mercado para lancar este conceito pois ainda nao ha restaurantes latino americanos, podemos contar com uma clientela ja bastante sofisticada e aventureira aberta a ideas novas e temos tambem um paralelo de ingredientes que se encontram tanto nesta regiao e no sudeste asiatico como tambem na america latina. Sera depois a minha idea trazer esta experiencia ate a europa passando por londres e quem sabe talvez portugal...
A ver vamos como as coisas decorrem
Estou tambem a tentar desenvolverum projecto espaco live/work em que terei uma cozinha de testes que estara em uso diariamente para o desenvolvimento de novas receitas mas que tambem funcionara como uma especie de restaurante underground onde posso organizar jantares para 15-16 pessoas com menus de degustacao bastante elaborados em que os clientes pagam por um lugar numa mesa comunal e disfrutao do evento em conjunto com outros clientes quebrando assim um pouco a barreira da privacidade e formando um ambiente de convivio de uma forma mais personalizada e intima que um restaurante publico.
Vamos ver com vai....
_________________
Viajar ė aprender
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Visitar a homepage do Usuário
Spice Girl



Registrado: Quarta-Feira, 4 de Janeiro de 2006
Mensagens: 6059
Localização: Lisboa

MensagemEnviada: Seg Nov 17, 2008 11:06 am    Assunto: Responder com Citação

Nuno, quero começar por te desejar as boas vindas a este forum e agradecer mais ma vez a tua disponibilidade para participar nesta entrevistas.

Aqui ficam então algumas questões:

1 - Saíste de Portugal penso que com 18 anos para ir estudar biologia marinha para os USA. Como surgiu a cozinha na tua vida?

2 - Já que grande parte das pessoas neste forum não conhece a tua cozinha, como a definirias?

3 - Passaste algum tempo na Ásia e há alguma influência dessa passagem na tua cozinha. A atitude dos asiáticos perante a comida e a forma como comem é bastante diferente da europeia. Penso que a cozinha asiática de certa forma tem inspirado algumas das mudanças surgidas na cozinha nas últimas décadas (começando pela nouvelle cuisine e agora também nesta época mais recente). Quais as diferenças principais que apontarias entre a forma como se come e cozinha no oriente e no ocidente?

3 - - Como caracterizas a época que estamos a viver na cozinha?

4 - Sei que passaste por um estágio no El Bulli. Como avalias essa experiência?
_________________
"Inquisitiveness was a key feature." Heston Blumenthal
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Enviar E-mail
Torreblanca



Registrado: Sexta-Feira, 4 de Mai de 2007
Mensagens: 389

MensagemEnviada: Seg Nov 17, 2008 12:12 pm    Assunto: Responder com Citação

Caro Nuno Mendes,

O conceito "Fine Dining in Trainers" ou "Casual Fine Dinning" como também se referiu a ele, é algo a que num primeiro momento associamos às características do cliente e não às características gastronómicas do projecto. Mas obviamente não se pode ficar por aí, até porque, creio, seria castrador condicionar um projecto gastronómico ao outfit dos seus clientes.
Nesse sentido, como surge esse conceito : da verificação do "ambiente" da sala e posterior catalogação do tipo de clientes que aderiu ao local e ao projecto gastronómico ou todo o projecto gastronómico foi elaborado para atingir esse target de clientela? Porquê? E o que diferencia um projecto de "casual fine dinning" dum projecto de "fine dinning" numa cidade como Londres? O que se pretende atingir com essa nuance do "casual"?
_________________
Filipe de Almeida Santos
------------------------------------------------
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
nunoviajante



Registrado: Quinta-Feira, 13 de Novembro de 2008
Mensagens: 19
Localização: Londres

MensagemEnviada: Seg Nov 17, 2008 12:20 pm    Assunto: Responder com Citação

Eu sempre fui muito apaixonado pela cozinha, lembro-me de a partir dos meus 5-6 anos passar horas e horas na cozinha da minha avo a ler livros de cozinha, sempre quis apeender e compreender a cozinha. O meu pai tambem foi uma figura muito importante no desenvolvimento da minha paixao, ele adora cozinhar e foi a pessoa que me comecou a ensinar a comer, beber, procurar os sabores nos productos. Ele levou-me a viajar e a provar comidas ethnicas, restaurantes gourmet e tasquinhas por todods os sitios por onde passamos, mostro-me o valor do producto e ensinou-me a dar a mesma importancia a uma trufa e a uma batata
_________________
Viajar ė aprender
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Visitar a homepage do Usuário
paixaodasilva



Registrado: Sábado, 17 de Mai de 2008
Mensagens: 553
Localização: a bela Lisboa

MensagemEnviada: Seg Nov 17, 2008 3:07 pm    Assunto: Responder com Citação

Bem vindo caro colega Nuno Mendes,
Visto que a Spice já colocou algumas questões que eu também tinha, deixo-te apenas uma:

- Visto a cozinha Portuguesa estar ainda uns furos abaixo de outras como a Francesa ou Espanhola, mas num crescendo tanto a nivel nacional como internacional, crescendo este liderado por chefes de alcance internacional como Fausto, Baena e agora sem duvida o Avillez, não achas que sendo tu um Português, com varios trajectos e experiências além fronteiras, serias útil ao nosso país cozinhando em Portugal para o mundo, abrindo ainda mais as nossas portas, quero eu dizer com isto..Porque não um projecto em Portugal?

Cumprimentos e votos de sucesso!
_________________
Muitos têm jeito para fazer comida, mas poucos têm a sensibilidade de cozinhar.

"Alguns cozinheiros que se tornam célebres, esquecem-se do mais importante... trata-se apenas de cozinhar." Antoine Westermann
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
Abílio Neto



Registrado: Quinta-Feira, 1 de Setembro de 2005
Mensagens: 3677

MensagemEnviada: Seg Nov 17, 2008 4:30 pm    Assunto: Responder com Citação

Caro Nuno Mendes,

Antes de ir as perguntas, parabéns ao conseguido. Satisfaz-me saber que não é para parar e muito menos desistir.

As perguntas:

- Para si o que é a gastronomia (ou a cozinha) portuguesa?

- Até que ponto é que as experiências não gastronómicas podem influenciar um chef que pretenda fazer cozinha com autoria? Se sim, no seu caso, fora da gastronomia, quais são as suas influências?

- Não sei até que ponto estará familiarizado com os vinhos portugueses, mesmo assim, arrisco-me: o que sugereria para harmonizar com um baga da Bairrada ou das Beiras?

- O que lhe cito abaixo é para ser feito em Portugal? É que aqui no fórum, garanto-lhe, haveria muito interessado. Há hipóteses de se viabilizar? É que muitos de nós não conhecemos o Bacchus ... Cool Very Happy ?

Nuno Mendes escreveu:
Estou tambem a tentar desenvolverum projecto espaco live/work em que terei uma cozinha de testes que estara em uso diariamente para o desenvolvimento de novas receitas mas que tambem funcionara como uma especie de restaurante underground onde posso organizar jantares para 15-16 pessoas com menus de degustacao bastante elaborados em que os clientes pagam por um lugar numa mesa comunal e disfrutao do evento em conjunto com outros clientes quebrando assim um pouco a barreira da privacidade e formando um ambiente de convivio de uma forma mais personalizada e intima que um restaurante publico.
Vamos ver com vai....

_________________
Abraços,

Abílio Neto
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
nunoviajante



Registrado: Quinta-Feira, 13 de Novembro de 2008
Mensagens: 19
Localização: Londres

MensagemEnviada: Ter Nov 18, 2008 12:59 pm    Assunto: Responder com Citação

Torreblanca escreveu:
Caro Nuno Mendes,

O conceito "Fine Dining in Trainers" ou "Casual Fine Dinning" como também se referiu a ele, é algo a que num primeiro momento associamos às características do cliente e não às características gastronómicas do projecto. Mas obviamente não se pode ficar por aí, até porque, creio, seria castrador condicionar um projecto gastronómico ao outfit dos seus clientes.
Nesse sentido, como surge esse conceito : da verificação do "ambiente" da sala e posterior catalogação do tipo de clientes que aderiu ao local e ao projecto gastronómico ou todo o projecto gastronómico foi elaborado para atingir esse target de clientela? Porquê? E o que diferencia um projecto de "casual fine dinning" dum projecto de "fine dinning" numa cidade como Londres? O que se pretende atingir com essa nuance do "casual"?


O conceito do bacchus foi feito de proposito com a casual dinning em mente. O nosso objectivo foi criar um espaco dinamico com uma cozinha creativa e um servico atencioso a partir de um local bastante confortavel para o cliente, isto e, um espaco com que o cliente se possa identificar. por isso a nossa escolha obvia foi um antigo pub, espaco que esta muito ligado com a cultura social londrina. A escolha entre o casual e o fine dining para mim tem muito a ver com a minha personalidade, com a area em si e tambem com o facto de que o fine dining e muitas vezes associado aqui em londres com espacos demasiado cuidados em que o cliente muitas vezes nao se sente avontade para disfrutar da sua refeicao. Assim, quebramos desta forma um pouco o molde que havia e conseguimos que o espaco reflectise um pouco a minha personalidade e acrescentasse a experiencia gastronomica.
_________________
Viajar ė aprender
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Visitar a homepage do Usuário
nunoviajante



Registrado: Quinta-Feira, 13 de Novembro de 2008
Mensagens: 19
Localização: Londres

MensagemEnviada: Ter Nov 18, 2008 1:18 pm    Assunto: Responder com Citação

Abílio Neto escreveu:
Caro Nuno Mendes,

Antes de ir as perguntas, parabéns ao conseguido. Satisfaz-me saber que não é para parar e muito menos desistir.

As perguntas:

- Para si o que é a gastronomia (ou a cozinha) portuguesa?

- Até que ponto é que as experiências não gastronómicas podem influenciar um chef que pretenda fazer cozinha com autoria? Se sim, no seu caso, fora da gastronomia, quais são as suas influências?

- Não sei até que ponto estará familiarizado com os vinhos portugueses, mesmo assim, arrisco-me: o que sugereria para harmonizar com um baga da Bairrada ou das Beiras?

- O que lhe cito abaixo é para ser feito em Portugal? É que aqui no fórum, garanto-lhe, haveria muito interessado. Há hipóteses de se viabilizar? É que muitos de nós não conhecemos o Bacchus ... Cool Very Happy ?


As minhas respostas:

As minhas influencias mais fortes fora da cozinha tem a ver com as minhas experiencias pessoais, as viajens que fiz, os sitios onde vivi e as pessoas que conheci durante o meu percurso.

os vinhos portuguses sao excelentes e eu tenho em mente no meu proximo restaurante ter uma forte representacao dos sues bons specimens.
os meus menus neste momento nao sao criados para acompanhar vinho mas para ser acompanhados com vinho sebem que devez em quando gosto de fazer uns jantares em que o focus e o vinho e ai cada prato e desenhado especificamente para acompanha-lo. Estou certo que conseguiria fazer algo bastante interesante com um baga da bairrada ou das beiras....

Para responder a ultima parte da sua pergunta primeiro tenho por agradecer imenso o interesse que despertou em participar nestes ditos eventos, e uma honra saber que tenho apreciadores do meu trabalho no meu pais!
Este projecto e algo que eu ja a uns tempos ando a tentar desenvolver mas como e obvio nao e assim tao facil pois e necessario um investimento forte de capital. Tenciono sem duvidas lanco-lo no proximo ano mas sera primeiro aqui em londres pois e aqui que eu vivo e esta e a minha base profissional neste momento. como disse antes vou abrir o meu restaurante aqui e todos os projectos sejam na asia ou na europa comecam a sua fase de desenvolvimento aqui.
Gostaria muito de ter a oportunidade de desenvolver este mesmo projecto em portugal mas talvez com uma pequena alteracao, seria a meu ver interessante criar tambem paralelo ao conceito em que acima falei, uma pequena escola que oferece-se aulas a profissionais e aficionados sobre technicas modernas e tambem trazer chefes internacionais a fazer jantares, demonstracoes e palestras acerca das diversas tendencias da cozinha numa plateia mundial. Este seria o meu ideal para um espaco em portugal.
talvez um dia haja a oportunidade de o desenvolver
_________________
Viajar ė aprender
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Visitar a homepage do Usuário
nunoviajante



Registrado: Quinta-Feira, 13 de Novembro de 2008
Mensagens: 19
Localização: Londres

MensagemEnviada: Ter Nov 18, 2008 1:25 pm    Assunto: Responder com Citação

paixaodasilva escreveu:
Bem vindo caro colega Nuno Mendes,
Visto que a Spice já colocou algumas questões que eu também tinha, deixo-te apenas uma:

- Visto a cozinha Portuguesa estar ainda uns furos abaixo de outras como a Francesa ou Espanhola, mas num crescendo tanto a nivel nacional como internacional, crescendo este liderado por chefes de alcance internacional como Fausto, Baena e agora sem duvida o Avillez, não achas que sendo tu um Português, com varios trajectos e experiências além fronteiras, serias útil ao nosso país cozinhando em Portugal para o mundo, abrindo ainda mais as nossas portas, quero eu dizer com isto..Porque não um projecto em Portugal?

Cumprimentos e votos de sucesso!



Caro colega,

Um projecto em portugal sera algo comque eu sempre sonhei, de facto ate tenho um local onde o gostaria de fazer mas infelizmente ate hoje essa oportunidade ainda nao se realizou.. talvez um dia mais tarde quando tenha os bolsos um pouco mais cheios consiga realizar esse sonho com sucesso
_________________
Viajar ė aprender
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Visitar a homepage do Usuário
Pedro Gomes



Registrado: Segunda-Feira, 25 de Outubro de 2004
Mensagens: 1102
Localização: Lisboa

MensagemEnviada: Ter Nov 18, 2008 4:08 pm    Assunto: Responder com Citação

Caro Nuno Mendes,

Confesso que não conheço o seu trabalho nem tão pouco as críticas elogiosas que, segundo me confidenciaram, tem recebido por parte da imprensa britânica. Mas não hesitámos assim que a Paulina Mata nos propôs o seu nome. Muito obrigado por ter aceite esta entrevista.

E partindo para as perguntas:


1- Por força da sua experiência no sudeste asiático não resisto a perguntar-lhe: a comida chinesa que genericamente se come na Europa reflecte a tradição e as raízes gastronómicas do país de origem? Ou, em contrapartida, não passa de um produto de marketing muito bem sucedido?

2- Oiço muita gente a defender a ideia (com a qual não concordo) que a verdadeira apreciação de um vinho só é possível à mesa... com acompanhamento. Admitindo o mesmo racíocinio, pergunto-lhe se considera que a correcta apreciação de uma "construção" gastronómica só faz sentido com um acompanhamento líquido (vinho de preferência)?

3- Um pouco à semelhança do que que acontece com alguns enológos, vivemos tempos em que não raras vezes, é muito mais o chef, e não as suas criações, que merecem reconhecimento e aplauso da crítica. Como encara esta espécie de endeusamento do autor em detrimento da sua obra? Parece-lhe natural e desejável para o sector? Considera-a contraproducente para a gastronomia?

4- Quem vive o chamado "alto vinho" por dentro encara os "prémios" e as "medalhas" com algum distanciamento e relativismo. Na alta gastronomia, corrija-me se estiver errado, sinto uma sofreguidão desenfreada atrás das famosas "estrelas", como se na ausência destas o trabalho do chef estivesse irremediavelmente condenado: uma coisa do género "não tem estrelas... não presta!". Estarei equivocado na minha análise? Não provocará isso profundas distorções na apreensão do mercado?

Um grande abraço e... até ja!

Pedro
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
Torreblanca



Registrado: Sexta-Feira, 4 de Mai de 2007
Mensagens: 389

MensagemEnviada: Ter Nov 18, 2008 4:11 pm    Assunto: Responder com Citação

Caro Nuno

Quais são, em sua opinião, os 3/5 melhores restaurantes de Londres neste momento?
_________________
Filipe de Almeida Santos
------------------------------------------------
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
jdiogo



Registrado: Sábado, 30 de Junho de 2007
Mensagens: 112
Localização: Anadia / Estoril

MensagemEnviada: Ter Nov 18, 2008 6:21 pm    Assunto: Responder com Citação

Em primeiríssimo lugar, Parebéns pelo magnífico trabalho desenvolvido.
Assisti à sua 'apresentação' na FIL, e fiquei realmente 'maravilhado'!;)

A sua cozinha transmite um sentido artístico bastante apurado, com uma evidente tendência minimalista, possivelmente fruto das suas viagens pelo continente Asiático. Ao mesmo tempo verifica-se uma irreverente mistura de sabores, productos muito diferenciados, que complementa certeiramente, ( aqui sugiro talvez a experiência pela América Latina, e as próprias influências que os U.S sofrem), por fim aplica tudo na cosmopolita cidade Londrina, e verifica-se as tendências conceptuais e ' high-tech', assim como o apronfudar e desenvolvimento dos conceitos de 'estar à mesa' e a própria forma de comer.

Esta é a imagem que tenho de si, com tudo o que li e vi, em que mudaria esta imagem? Qual a sua viagem mais marcante e decisiva para o trabalho que demostra agora?

Quando busca inspiração quais os locais, ou rituais, que costuma visitar\ praticar? (museus, restaurantes, galerias, monumentos, costa marítmia, floresta, natureza...)


E já agora, para o conhecermos um pouco melhor, e porque a música que ouvimos diz muito do que somos, podia em traços gerais enumerar os estilos / grupos que mais gosta de ouvir? ( se considerar que esta pergunta não é pertinente para esta entrevista, e não quiser responder, compreendo! ;) )


Desde já o meu muito obrigado, e votos do maior sucesso!Very Happy

José Diogo
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
joaosa



Registrado: Terça-Feira, 16 de Outubro de 2007
Mensagens: 86

MensagemEnviada: Ter Nov 18, 2008 9:41 pm    Assunto: Responder com Citação

Oi nuno tudo bem?
Os meus parabens pelo trabalho que fizeste no bacchus e pela refeição que me propocionas-te no mesmo Laughing

Sei que tens acompanhado de perto o desenvolvimento da cozinha e dos chefs em portugal. Pensas que estamos no bom caminho? O que mais poderia ser feito?

Achas que o publico portugues estaria pronto para um bacchus em portugal?

Um abraço
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular
nunoviajante



Registrado: Quinta-Feira, 13 de Novembro de 2008
Mensagens: 19
Localização: Londres

MensagemEnviada: Qua Nov 19, 2008 12:08 pm    Assunto: Responder com Citação

Pedro Gomes escreveu:
Caro Nuno Mendes,

Confesso que não conheço o seu trabalho nem tão pouco as críticas elogiosas que, segundo me confidenciaram, tem recebido por parte da imprensa britânica. Mas não hesitámos assim que a Paulina Mata nos propôs o seu nome. Muito obrigado por ter aceite esta entrevista.

E partindo para as perguntas:


1- Por força da sua experiência no sudeste asiático não resisto a perguntar-lhe: a comida chinesa que genericamente se come na Europa reflecte a tradição e as raízes gastronómicas do país de origem? Ou, em contrapartida, não passa de um produto de marketing muito bem sucedido?

2- Oiço muita gente a defender a ideia (com a qual não concordo) que a verdadeira apreciação de um vinho só é possível à mesa... com acompanhamento. Admitindo o mesmo racíocinio, pergunto-lhe se considera que a correcta apreciação de uma "construção" gastronómica só faz sentido com um acompanhamento líquido (vinho de preferência)?

3- Um pouco à semelhança do que que acontece com alguns enológos, vivemos tempos em que não raras vezes, é muito mais o chef, e não as suas criações, que merecem reconhecimento e aplauso da crítica. Como encara esta espécie de endeusamento do autor em detrimento da sua obra? Parece-lhe natural e desejável para o sector? Considera-a contraproducente para a gastronomia?

4- Quem vive o chamado "alto vinho" por dentro encara os "prémios" e as "medalhas" com algum distanciamento e relativismo. Na alta gastronomia, corrija-me se estiver errado, sinto uma sofreguidão desenfreada atrás das famosas "estrelas", como se na ausência destas o trabalho do chef estivesse irremediavelmente condenado: uma coisa do género "não tem estrelas... não presta!". Estarei equivocado na minha análise? Não provocará isso profundas distorções na apreensão do mercado?

Um grande abraço e... até ja!

Pedro


Caro Pedro,

A meu ver a comida que se come na Asia e muito diferente do que se chama comida asiatica aqui na Europa ou mesmo nos Estados Unidos. Creio que ha poucos lugares fora da Asia onde se pode ter uma verdadeira experiencia gastronomica "asiatica". Isto tem muito a ver com a qualidade e autenticidade dos produtos com que estas cozinhas sao elaboradas e tambem a compreencao por parte do cozinheiro da technica empregada nestas cozinhas.

Um menu de degustacao pode ser acompanhado de varias formas, o mais normal e o vinho mas a meu ver quando eu escrevo menus de degustacao gosto de incluir diversas bebidas em varios estados (liquido, solido e gasoso) e gosto tambem de incluir cocktails, chas, cervejas etc. Esta diversidade cria uma experiencia muito mais interesante para o cliente que o faz reflectir acerca do formato da refeicao e talvez um pouco das suas experiencias previas e preconceitos. Este formato nao e para todos e e um pouco perigoso de efectuar pois se nao for bem estudado pode dar mau resultado e criar uma ma experiencia para o cliente.
Ontem eu fiz um evento aqui em Londres em que desenhei um menu de degustacao de nove pratos todo acompanhado por diferentes chas asiaticos de alta qualidade. Os clientes que participaram eram todos aficionados pelo cha e tambem curiosos acerca da cozinha moderna e a sua experiencia foi muito positiva. Creio que nunca tinham visto o cha e a gastronomia tao aliados e ficaram encantados com o facto deste menu ter sido completamente desenhado avolta do cha e nao o reverso. Este formato de degustacao e algo que eu gostava de aperfundar no futuro em varios outros eventos e tambem no meu restaurante.

Para mim um bom chefe e avaliado pelo seu trabalho. a personalidade e algo que pode acrescentar valor a pessoa em termos mediaticos mas deve sempre ser baseado no seu trabalho. As entrevistas, a fama, o dinheiro sao muito atraentes especialmente no inicio da carreira e as vezes tranformam muito as pessoas por isso eu vejo que tudo o que vem por "atrelado" tem que ser sempre ancorado pelo trabalho e ha que sempre ter respeito pela profissao, pelos colegas e pelos clientes pois estes sao alguns dos ingredientes que fazem o nosso universo possivel

Um cozinheiro levanta-se todas as manhas bem cedo e passa a maior parte das horas da sua vida afastado da sua familia com o objectivo de aperfeicoar e melhorar a sua technica e a sua cozinha, esta e um pouco a vida e um cozinheiro. As estrelas o premios e medalhas sao uma forma de reconhecimento do seu trabalho. Nao creio que devemos cozinhar para estrelas, mas sim usando os nossos sentidos, a nossa technica, a nossa intuicao e as nossas experiencias de vida reflectidas no que fazemos. Se as estrelas vierem, seram bem vindas mas devem ser sempre encaradad com uma certa humildade e nao nos devem subir a cabeca, elas vem e vao, nos ficamos e o nosso trabalho deve sempre continuar...
Cada vez mais as estrelas sao vistas como uma avaliacao um pouco antiquada que requer ao chefe de cozinha e ao dono do restaurante um investimento financeiro que muitas vezes nao e retornado e que talvez nao valha a pena se a casa esta cheia e a qualidade da comda e do servico sao bons. Muitos dos novos guias estao a partir do formato antiquado do restaurante de luxo para um local mais relaxado e informal onde se pode provar uma cozinha cuidada mais actual com um servico mais relaxado mas sempre profissional.

espero que estas respostas o satisfacao.

Ate breve
_________________
Viajar ė aprender
Voltar ao Topo
Ver o perfil de Usuários Enviar Mensagem Particular Visitar a homepage do Usuário
Mostrar os tópicos anteriores:   
Novo Tópico   Este Tópico está Bloqueado. Você não pode editar mensagens ou responder    NovaCrítica-vinho.com - Índice do Fórum -> Entrevistas On-line Todos os horários são GMT + 1 Hora
Ir à página 1, 2, 3  Próximo
Página 1 de 3

 
Ir para:  
Enviar Mensagens Novas: Proibido.
Responder Tópicos Proibido
Editar Mensagens: Proibido.
Excluir Mensagens: Proibido.
Votar em Enquetes: Proibido.


Powered by phpBB © 2001, 2005 phpBB Group
Traduzido por: Suporte phpBB