Fórum de Discussão Contactos

Últimos vinhos

arrow Bouchard Père & Fils Chassagne Montrachet 2006
arrow Brites de Aguiar 2006
arrow Casa de Santar Reserva branco 2007
arrow Casa do Lago Fernão Pires 2007
arrow Caves São João Reserva 2005
arrow Fiuza Premium Touriga Nacional / Cabernet Sauvignon 2006
arrow Fonseca 20 Anos (Engarrafado em 2007)
arrow Herdade de São Miguel Colheita Seleccionada 2007
arrow Hetszolo Tokaj Late Harvest 2006
arrow Muros Antigos Alvarinho 2007
arrow Pape 2006
arrow Poças Vintage 2005
arrow Quatro Caminhos Reserva 2005
arrow Quinta de Baixo Reserva branco 2006
arrow Quinta do Côro Cabernet Sauvignon 2005
arrow Quinta Vale da Raposa Tinto Cão 2004
arrow Remelluri Reserva 2003
arrow Terras de Lantano Albariño 2006
arrow Venâncio da Costa Lima Moscatel de Setúbal Reserva 2001
arrow Bacalhôa Moscatel Roxo 1998

Vinhos "Cor-de-rosa"

divider
Vinhos "Cor-de-rosa"
Autor: Tiago Teles
Data: 28 de Outubro de 2008
Tema: Opinião

A moda Cor-de-rosa também já “apanhou” o vinho. Vinho de que toda a gente fala mas ninguém bebe. As publicações comunicam uma visão “Jet-Set” dos vinhos portugueses, rodeando-os de estatuto, de imagem, de um pseudo elitismo que a humildade da natureza porventura dispensaria. O absolutismo das classificações separa os “bons” dos “maus”, separa os vinhos com direito a fotografia da maioria modesta e remediada. A visão transmitida é inevitavelmente demasiado Cor-de-rosa, demasiado aparente, muito superficial num mercado que já dá fortes sinais de crise interna. Figurativos que se olvidam das novas tendências em diferentes regiões, que esvaziam a profundidade de opinião que nos permitiria perceber as dissemelhanças entre os diversos vinhos provados.

As classificações entre diferentes vinhos aproximam-se bastante numa visão hierárquica que pouco serve o consumidor e mesmo a indústria, retirando também o sentido de opinião às respectivas publicações (a opinião faz-se na diferença e não no consenso). Elas escamoteiam também a dura realidade que se vive em vários locais. Os autores, sujeitos a um ritmo frenético de prova, optam pela facilidade, pelo mediatismo, refugiam-se no conforto do consenso, listam infindáveis notas de prova, na sua essência, também elas iguais entre si, para mais numa época onde os vinhos se “querem” aproximar verdadeiramente. Deixam de enquadrar o valor de cada vinho na sua herança e local, exaltando em contraponto o pseudo estatuto de vinhos “Cor-de-rosa”. Criam autênticas estrelas de consumo que vivem escassos momentos nesse mediatismo para logo se tornarem verdadeiras estrelas cadentes…Concentram a força do seu trabalho no que menos preocupa. Esquecem-se de espremer o sumo contido nos milhares de notas e descritivos de prova, reflectindo, fermentando ideias, edificando novos conceitos que verdadeiramente podem ajudar o consumidor e os produtores a arquitectarem um sentido crítico e, por conseguinte, a fomentarem a cultura do vinho.    

O mercado responde em sintonia, emocionado e tocado pela felicidade alheia. Não fossem as revistas Cor-de-rosa um verdadeiro fenómeno nacional. A aceitação por parte do consumidor evidencia um prodígio moderno de popularização dos rótulos de vinho. É um sinal de conformismo perigoso por parte do consumidor português. É também um sinal evidente que autores e consumidores deixaram de “criticar” passando antes a “falar” de vinhos. E que a maioria deixou de “beber” para passar a “considerar” o vinho, carregando-o de significado social dado pelo seu elevado preço ou estatuto, não pela sua elevada qualidade e identidade. Quantos de nós bebemos estes vinhos produzidos em quantidades irrisórias, que de tão pequenas fica sempre a dúvida do seu sentido existencial? Os consumidores que verdadeiramente apreciam vinhos afastam-se deste mercado para endinheirados e pseudo referências de luxo, um mercado que começa a aproximar os limites da irracionalidade e da falta de senso tal é, na maioria dos casos, o desfasamento entre preço e conteúdo. Estes apaixonados consumidores são experientes, são pessoas cientes que o mercado deixou a autenticidade para trás, deixou de ser consistente, deixou de responder às necessidades básicas do vinho. Sentem a falta de solidez no mercado, a firmeza que dependeria também de um jornalismo de verdade, independente e rigoroso, e não de um jornalismo de conveniência que oferece raciocínios imperfeitos à consideração dos outros.

A crise económica já chegou mas as prateleiras enófilas continuam repletas de vinhos “Cor-de-rosa”. As conversas são inevitavelmente em torno daquela garrafa que custa sessenta euros mas já ninguém a compra ou a quer. Algumas garrafeiras passarão a museus. Dá que pensar. Esquecemo-nos que antes de tudo a crise é cultural, uma verdadeira crise de valores que vai copiando sucessivas imagens para reconhecimento e que vai aos poucos aniquilando a identidade do vinho. Confundiu-se o económico com o cultural. Os vinhos Cor-de-rosa são idolatrados numa “cultura económica” mas arriscam também a aversão profunda numa “cultura de bom senso”. Esqueçam a vaidade. O tempo é soberano e neste momento já se começa a encher de “cinzento”...