Fórum de Discussão Contactos

Últimos vinhos

arrow Bouchard Père & Fils Chassagne Montrachet 2006
arrow Brites de Aguiar 2006
arrow Casa de Santar Reserva branco 2007
arrow Casa do Lago Fernão Pires 2007
arrow Caves São João Reserva 2005
arrow Fiuza Premium Touriga Nacional / Cabernet Sauvignon 2006
arrow Fonseca 20 Anos (Engarrafado em 2007)
arrow Herdade de São Miguel Colheita Seleccionada 2007
arrow Hetszolo Tokaj Late Harvest 2006
arrow Muros Antigos Alvarinho 2007
arrow Pape 2006
arrow Poças Vintage 2005
arrow Quatro Caminhos Reserva 2005
arrow Quinta de Baixo Reserva branco 2006
arrow Quinta do Côro Cabernet Sauvignon 2005
arrow Quinta Vale da Raposa Tinto Cão 2004
arrow Remelluri Reserva 2003
arrow Terras de Lantano Albariño 2006
arrow Venâncio da Costa Lima Moscatel de Setúbal Reserva 2001
arrow Bacalhôa Moscatel Roxo 1998

Prazeres Analíticos

divider
Prazeres Analíticos
Autor: Tiago Teles
Data:07 de Janeiro de 2004
Tema: Opinião
 

Por vezes, e como em tantas outras situações da nossa vida, surgem questões enófilas que nos obrigam a reflectir e equacionar posturas anteriormente adoptadas. Recentemente questionaram-me sobre se o meu perfil analítico, aquando da apreciação de um vinho, me retirava prazer na prova. Perguntaram-me, inclusivamente, se me conseguia emocionar com algum vinho, o que me levou a reflectir sobre os últimos tempos de prova.

Na maioria dos casos, o prazer que retiro com a análise analítica de um vinho é sempre superior ao simples acto de beber despreocupado. Porquê? Porque o prazer da descoberta e do conhecimento é ilimitado. Uma análise analítica leva-nos a descobrir nuances e subtilezas que outro tipo de análise deixaria passar despercebidas. Em certas situações a emoção derivada dessas descobertas é de tal forma intensa que nos conduz invariavelmente a esta paixão pelo vinho. No entanto, é normal que no caso de vinhos com algum defeito (excesso alcoólico, taninos amargos, acidez "mal" corrigida, etc) esse prazer comparativo seja potencialmente inferior ao de um provador despreocupado.

A componente analítica é também crucial para que se possa emitir uma apreciação justa e real sobre um vinho. E isto porque não falamos de um simples material líquido mas de pessoas e vidas que o idealizaram e criaram. Na verdade, criticamos uma componente humana e não material (ao contrário do que muita gente possa imaginar). Uma garrafa de vinho é um "produto" que fala de castas, pessoas e lugares. E, por essa razão, a classificação de um vinho não pode ser leviana. Deve, sim, ser suportada por uma forte componente analítica, enquadrada num espaço e tempo histórico.

Coloca-se, no entanto, a questão: Será que o evoluir do grau de exigência limita o número de emoções positivas sobre um vinho? Será que um provador exigente se emociona menos vezes que um provador normal?

A emoção de cada indivíduo deriva do apurar dos seus sentidos e da sua experiência de vida. No meu caso específico, a formação base, ligada à engenharia, contribuiu para o meu perfil analítico e metódico que, felizmente, me permitiu aprender e evoluir rapidamente. Necessária é a autoformação contínua neste processo evolutivo. Como provador, sou capaz de retirar prazer de uma textura sedosa. Sigo a evolução de um determinado aroma no palato. Delicio-me com um sabor ou aroma particular. Quem não sentiu já o prazer de descobrir um cheiro familiar na prova de nariz?

Felizmente, quanto mais sabemos mais temos para descobrir. Considero, no entanto, que o grau de exigência não deve limitar os horizontes. Convém não esquecer que o vinho é um prazer simples - o vinho deve saber bem desde o início da prova. Por isso mesmo, e por forma a me defender da rotina "analítica", adoptei a postura de não pontuar ou analisar todos os vinhos que provo. Em muitos casos, limito-me simplesmente a usufruir do prazer de beber um vinho em boa companhia. Além de ser capaz de retirar imenso prazer de um vinho simples.