Fórum de Discussão Contactos

Últimos vinhos

arrow Bouchard Père & Fils Chassagne Montrachet 2006
arrow Brites de Aguiar 2006
arrow Casa de Santar Reserva branco 2007
arrow Casa do Lago Fernão Pires 2007
arrow Caves São João Reserva 2005
arrow Fiuza Premium Touriga Nacional / Cabernet Sauvignon 2006
arrow Fonseca 20 Anos (Engarrafado em 2007)
arrow Herdade de São Miguel Colheita Seleccionada 2007
arrow Hetszolo Tokaj Late Harvest 2006
arrow Muros Antigos Alvarinho 2007
arrow Pape 2006
arrow Poças Vintage 2005
arrow Quatro Caminhos Reserva 2005
arrow Quinta de Baixo Reserva branco 2006
arrow Quinta do Côro Cabernet Sauvignon 2005
arrow Quinta Vale da Raposa Tinto Cão 2004
arrow Remelluri Reserva 2003
arrow Terras de Lantano Albariño 2006
arrow Venâncio da Costa Lima Moscatel de Setúbal Reserva 2001
arrow Bacalhôa Moscatel Roxo 1998

A influência da madeira no momento da prova do vinho

divider
A influência da madeira no momento da prova do vinho
Autor: Tiago Teles
Data: 03 de Dezembro de 2002
Tema: Conhecer o vinho

O carácter frutado do vinho advém do seu "ingrediente natural" - a Uva. No entanto, não há duvida que, a seguir à videira, o carvalho é a segunda árvore mais importante no mundo dos vinhos. O carvalho aparece nas cubas de fermentação e nas pipas de estágio há alguns séculos. Está demonstrado que é a única madeira que beneficia tanto o sabor, como a textura do vinho. Mas, este benefício apenas acontece enquanto a madeira é "nova", ou seja, nos primeiros dois ou três anos de vida da barrica.

Havendo uma selecção de madeira de qualidade, e uma secagem adequada, o factor mais importante, para a influência da barrica no vinho, é a tostagem controlada, provocada por uma chama aberta no interior da barrica. O calor transforma os componentes da madeira, dando-lhes os característicos aromas e sabores a "carvalho".

Por ser dispendiosa, a madeira nova está geralmente reservada a vinhos caros. Estas são as principais razões para se utilizar o carvalho no estágio do vinho:
  • O carvalho tem um efeito estimulante e definidor. Todo o tipo de sabores são focados de forma mais precisa, dando mais complexidade ao conjunto.
  • O período de tempo para a maturação do vinho em carvalho influencia fortemente a concentração do seu aroma e sabor.
  • O estágio em carvalho confere aromas e sabores apelativos ao vinho. A fruta madura, com uma cobertura de baunilha, é irresistível e foi um sucesso junto dos consumidores e críticos.
  • O estágio em carvalho confere uma estrutura mais forte ao vinho, protegendo-o de uma oxidação acelerada e diminuindo a presença de aromas desagradáveis. Funciona como um conservante natural.
A presença da madeira pode ser percepcionada, no momento da prova, de diversas formas:
  • Se a madeira estiver bem integrada no vinho, todos os aromas são mais intensos. Os aromas e sabores da fruta serão mais evidentes e realçados comparativamente a outros aromas, aumentando, desta forma, o seu carácter complexo. Se a madeira estiver mal integrada no vinho, é possível que não se chegue a sentir a fruta, quer no aroma, quer no sabor. O vinho deixará de ser fruta, para ser madeira.
  • O nariz e o sabor do vinho ganham novos componentes. Dependendo da interacção com a casta, a presença da madeira pode ser identificada através de aromas/sabores: de carvalho; de tostados; de baunilha; de especiarias; de torrefacção; de fumo; de couro e de caramelo.
  • O carvalho acentua a textura do vinho. Pode suavizar os taninos nos vinhos tintos, criando uma textura de veludo ou seda. E pode também tornar os vinhos proibitivamente secos e adstringentes.
Mas atenção, a presença da madeira tem que enriquecer os sabores e aromas em vez de os encobrir. O excesso de madeira poderá, muitas vezes, sugerir uma falsa impressão de qualidade. Apesar desse excesso prolongar o final de boca, a fruta e os aromas podem ser excluídos do vinho (vinho desequilibrado). Por isso, e para nós consumidores, é melhor pensar no carvalho como um condimento. Tal como o sal na comida, é fácil exagerar. Os pratos fortes (como carnes vermelhas) melhoram se bem temperados, mas nem por isso sabem a esses temperos. Já os pratos leves se deixam dominar pelo excesso de condimentos. E, se o tempero se sobrepõe e encobre o que deveria ser realçado, então o cozinheiro perdeu o sentido do paladar. O mesmo se passa com o vinho e o carvalho. A única diferença é que podemos dar tempo de vida ao vinho para que o excesso se dilua. Mas desenganem-se aqueles que acreditam que, o que é horrível na juventude se pode transformar em maravilhoso com a idade.

Logicamente que o gosto pessoal terá uma importância fundamental na avaliação do peso da madeira num vinho. Ou seja, o grau de intensidade que nos agrada é muito pessoal. No meu caso, a tolerância à madeira é baixa. É de referir ainda que nem todas as castas têm afinidades com o carvalho. Entre as que têm encontramos o Cabernet Sauvignon, a Tinta Roriz, a Syrah, a Touriga Nacional, a Chardonnay, etc...



REFERÊNCIAS
  • "O Essencial sobre a Prova", Michael Shuster; Circulo de Leitores; Título Original: "Essential Winetasting", Michael Shuster 2000, Octopus Publ. Group.
  • "Curso de Vinhos", Jancis Robinson, Cotovia; Título Original: "Jancis Robinson's Wine Course", BBC Books.
  • "The Oxford Companion to Wine", Edited by Jancis Robinson, Oxford University Press.