Fórum de Discussão Contactos

Últimos vinhos

arrow Bouchard Père & Fils Chassagne Montrachet 2006
arrow Brites de Aguiar 2006
arrow Casa de Santar Reserva branco 2007
arrow Casa do Lago Fernão Pires 2007
arrow Caves São João Reserva 2005
arrow Fiuza Premium Touriga Nacional / Cabernet Sauvignon 2006
arrow Fonseca 20 Anos (Engarrafado em 2007)
arrow Herdade de São Miguel Colheita Seleccionada 2007
arrow Hetszolo Tokaj Late Harvest 2006
arrow Muros Antigos Alvarinho 2007
arrow Pape 2006
arrow Poças Vintage 2005
arrow Quatro Caminhos Reserva 2005
arrow Quinta de Baixo Reserva branco 2006
arrow Quinta do Côro Cabernet Sauvignon 2005
arrow Quinta Vale da Raposa Tinto Cão 2004
arrow Remelluri Reserva 2003
arrow Terras de Lantano Albariño 2006
arrow Venâncio da Costa Lima Moscatel de Setúbal Reserva 2001
arrow Bacalhôa Moscatel Roxo 1998

Gosto pessoal versus padrão de qualidade

divider
Gosto pessoal versus padrão de qualidade !
Autor: Tiago Teles
Data: 15 de Outubro de 2002
Tema: Opinião

Depois da prova cega realizada pelo painel dos 5 às 8, intitulada "Os vinhos do João", reflecti um pouco sobre a influência do gosto pessoal na avaliação de um vinho.
A razão é simples: um dos vinhos em prova, facilmente reconhecido pelo painel devido à sua acentuada tipicidade, foi literalmente penalizado por um provador. Outro vinho, manifestamente marcado por um estilo concentrado, foi enaltecido pelo mesmo provador. Em ambos, o provador demarcou-se da classificação média atribuída pelos restantes membros. No entanto, uma análise pragmática concluíria que ambos os vinhos são bons dentro da sua tipicidade.

No universo de opiniões sobre o mundo do vinho, afirmar "eu gosto" não é o mesmo que dizer "é bom". É natural pensarmos que temos sempre razão naquilo que gostamos. E, no caso de alguém contrapor que estamos errados nas nossas opiniões, sentimo-nos naturalmente lesados e terminamos o debate de opinião com a frase "gostos não se discutem". Mas, o gosto pessoal utilizado como único elemento na avaliação de um vinho, diz mais acerca de nós do que do próprio vinho. Não diz se o vinho é bom ou mau.

O gosto pessoal é diferente dos padrões de qualidade baseados em critérios normalizados. Ambos são importantes, mas há que distingui-los com clareza. Os valores pelos quais avaliamos o vinho são uma complexa mistura de gosto subjectivo e padrões defenidos.

Desta forma concluo que, por mais seguros que estejamos do nosso bom gosto, temos que reconhecer o nosso instinto natural para menosprezar os defeitos dos vinhos que adoramos ou que nos são familiares. Em oposição, tendemos a exagerar os defeitos nos vinhos de que, à partida, não gostamos. E, em situação de prova cega, pressionados pela exigência de sermos bons provadores, a aversão a um promenor apenas confirma o nosso preconceito. Afinal, somos apenas humanos.