Fórum de Discussão Contactos

Últimos vinhos

arrow Bouchard Père & Fils Chassagne Montrachet 2006
arrow Brites de Aguiar 2006
arrow Casa de Santar Reserva branco 2007
arrow Casa do Lago Fernão Pires 2007
arrow Caves São João Reserva 2005
arrow Fiuza Premium Touriga Nacional / Cabernet Sauvignon 2006
arrow Fonseca 20 Anos (Engarrafado em 2007)
arrow Herdade de São Miguel Colheita Seleccionada 2007
arrow Hetszolo Tokaj Late Harvest 2006
arrow Muros Antigos Alvarinho 2007
arrow Pape 2006
arrow Poças Vintage 2005
arrow Quatro Caminhos Reserva 2005
arrow Quinta de Baixo Reserva branco 2006
arrow Quinta do Côro Cabernet Sauvignon 2005
arrow Quinta Vale da Raposa Tinto Cão 2004
arrow Remelluri Reserva 2003
arrow Terras de Lantano Albariño 2006
arrow Venâncio da Costa Lima Moscatel de Setúbal Reserva 2001
arrow Bacalhôa Moscatel Roxo 1998

O segmento médio/alto dos vinhos é geralmente uma expectativa gorada

divider
O segmento médio/alto dos vinhos é geralmente uma expectativa gorada
Autor: Tiago Teles
Data: 03 de Outubro de 2002
Tema: Opinião

Este artigo aborda a expectativa do consumidor ao abrir uma garrafa de vinho no segmento médio/alto. O vinho cumpre a tarefa que lhe foi designada? É bom dentro do seu tipo? É tão bom quanto diz ser?
Ao determinar o preço de uma garrafa os produtores, os distribuidores e os lojistas têm em consideração diversos aspectos, entre eles: o esforço e o empenho na feitura do vinho, a margem de lucro pretendida, o preço de mercado para o segmento alvo, a lei da oferta e da procura, a especulação, a idade e a raridade do vinho. Mas, muitas vezes, esses intervenientes não se colocam na posição do consumidor para avaliar a relação qualidade/preço de um vinho. Por consequência, as expectativas do consumidor saem, geralmente, defraudadas.

Na prática, a expectativa tem um papel fundamental na apreciação do que provamos. Quando compramos comida, roupa ou até um carro temos em mente funções específicas, não o fazendo sem pensar. E a forma como essa compra corresponde ou não às nossas expectativas, influencia o juízo que fazemos dela.

No caso do vinho, as expectativas são feitas de várias formas - marca, preço, casta, origem, estilo, tipo, reputação, etc. Quando abrimos uma garrafa estamos preparados para um certo tipo de experiência. Se a garrafa não corresponde, temos o direito de nos sentirmos insatisfeitos. Se o vinho foi barato podemos até nem nos preocupar demasiado porque as expectativas não foram decerto grandes. Mas, quanto mais caro e ilustre for o vinho, mais exigentes nos tornamos e maiores são as expectativas. A desilusão será grande no caso de esse vinho caro não corresponder. Estes são critérios essencialmente funcionais, isto é: o vinho cumpre a tarefa que lhe foi designada? É bom dentro do seu tipo? E é tão bom quanto diz ser?

Penso que o grande problema de muitos vinhos portugueses, de gama média/alta, está na sua avaliação: "não vale o preço". Houve uma desilusão. E, dessa forma, não é possivel construir uma marca duradoura. Da minha experiência como consumidor de vinhos nesta gama, posso dizer que, ao abrir uma garrafa, o número de desilusões é superior ao número de satisfações. Este é um problema grave para a imagem dos vinhos portugueses no estrangeiro. O prestígio só poderá ser alcançado quando o vinho português de gama média/alta resolver esta tendência para a expectativa gorada. A boa relação qualidade/preço tem sido a vantagem dos vinhos do novo mundo.