Fórum de Discussão Contactos

Últimos vinhos

arrow Bouchard Père & Fils Chassagne Montrachet 2006
arrow Brites de Aguiar 2006
arrow Casa de Santar Reserva branco 2007
arrow Casa do Lago Fernão Pires 2007
arrow Caves São João Reserva 2005
arrow Fiuza Premium Touriga Nacional / Cabernet Sauvignon 2006
arrow Fonseca 20 Anos (Engarrafado em 2007)
arrow Herdade de São Miguel Colheita Seleccionada 2007
arrow Hetszolo Tokaj Late Harvest 2006
arrow Muros Antigos Alvarinho 2007
arrow Pape 2006
arrow Poças Vintage 2005
arrow Quatro Caminhos Reserva 2005
arrow Quinta de Baixo Reserva branco 2006
arrow Quinta do Côro Cabernet Sauvignon 2005
arrow Quinta Vale da Raposa Tinto Cão 2004
arrow Remelluri Reserva 2003
arrow Terras de Lantano Albariño 2006
arrow Venâncio da Costa Lima Moscatel de Setúbal Reserva 2001
arrow Bacalhôa Moscatel Roxo 1998

Crise ou época dourada?

divider
Crise ou época dourada?
Autor: Tiago Teles
Data: 27 de Novembro de 2002
Tema: Opinião

Em plena recessão da economia mundial e, mais particularmente da economia portuguesa, quis testar até que ponto essa crise afecta o mercado do vinho da gama alta em Portugal. Nesse sentido, fiz um levantamento desse mercado e defini um conjunto de critérios para inclusão nesta lista:

  • Vinhos ainda disponíveis em Garrafeiras ou Supermercados.
  • Todos os vinhos que apresentavam, pelo menos num local, um preço referenciado acima dos 25€.
  • Vinhos que saíram ou foram relançados no mercado nos últimos anos.
De início coloquei a hipótese de utilizar a referência dos 20€ mas isso tornaria o meu trabalho demasiado extenso. Por tal motivo, e porque não é um estudo exaustivo, não contempla todos os locais de venda, sendo provável a falta de alguma referência.

1. Duas Quintas Reserva - 1997, 1999 - Douro (~40€)
2. Ferrugento - 1997, 1999 - Douro (~30€)
3. Quinta de Nápoles - 2000 - Douro (~25€)
4. Batuta - 1999 - Douro (~90€)
5. Quinta de Roriz - 1996 - Douro (~27€)
6. Quinta do Crasto Touriga Nacional - 1996 - Douro (~35€)
7. Quinta do Crasto Tinta Roriz - 1997 - Douro (~35€)
8. Quinta do Côto Grande Escolha - 1994, 1995, 2000 - Douro (~70€)
9. Redoma - 1999 - Douro (~25€)
10. Dorna Velha - 1998 - Douro (~30€)
11. Dorna Grande - 1998 - Douro (~28€)
12. Quinta do Carolina - 1999 - Douro (~28€)
13. Quinta do Portal Touriga Nacional - 1999 - Douro (~25€)
14. Quinta do Portal Tinta Roriz - 1997 - Douro (~25€)
15. Quinta do Vale Dona Maria - 1999, 2000 - Douro (~27€)
16. Maria Teresa - 1998 - Douro (~60€)
17. Quinta do Vale Meão - 1999, 2000 - Douro (~90€,~35€)
18. Domini Plus - 2000 - Douro (~30€)
19. Quinta da Gaivosa - 1995, 1999 - Douro (~80€,~30€)
20. Reserva Pessoal Domingos Alves Sousa - 1997, 1999 - Douro (~45€)
21. Chryseia - 2000 - Douro (~50€)
22. Barca Velha - 1991, 1995 - Douro (~100€,~55€)
23. Vinha da Ponte - 1998 - Douro (50€)
24. Reserva Ferreirinha - 1992, 1994 - Douro (~40€)
25. Quinta Seara d'Ordens Garrafeira - 1999 - Douro (~27€)
26. Brunheda Vinhas Velhas - 2000 - Douro (~40€)
27. Quinta do Mouro - 1999 - Alentejo (~25€)
28. Tapada de Coelheiros - 1998 - Alentejo (~25€)
29. José de Sousa Mayor - 1997 - Alentejo (~42€)
30. Herdade Grande - 1999 - Alentejo (~35€)
31. Francisco Antunes Garcia Alicante Bouchet - 1999 - Alentejo (~32€)
32. Francisco Antunes Garcia Aragonês - 1999 - Alentejo (~32€)
33. Francisco Antunes Garcia Reserva - 1999 - Alentejo (~32€)
34. Esporão Reserva - 1996, 1997, 1999 - Alentejo (~35€)
35. Esporão Garrafeira - 1994, 1997, 1999 - Alentejo (~43€)
36. D'Avilez Garrafeira - 1991, 1995, 1997 - Alentejo (~28€)
37. Pêra Manca - 1997 - Alentejo (~50€)
38. Mouchão - 1998, 1999 - Alentejo (~35€)
39. Mouchão Tonel 3-4 - 1996 - Alentejo (~55€)
40. Herdade do Esporão Aragonês - 1995, 1998 - Alentejo (~30€,~45€)
41. Marquês de Borba Reserva - 1999 - Alentejo (~35€)
42. Cortes de Cima Incógnito - 2000 - Alentejo (~45€)
43. Cortes de Cima Reserva - 1998 - Alentejo (~72€)
44. Cortes de Cima Syrah - 2001 - Alentejo (~27€)
45. Tinto da Ânfora Grande Escolha - 1999 - Alentejo (~27€)
46. Tapada Chaves - 1998 - Alentejo (~85€)
47. T Quinta de Terrugem - 2000 - Alentejo (~60€)
48. Herdade do Perdigão Reserva - 1999 - Alentejo (35€)
49. Tapada de Coelheiros Garrafeira - 1996 - Alentejo (45€)
50. Quinta dos Roques Touriga Nacional - 1997, 1999, 2000 - Dão (~27€)
51. Quinta dos Roques Tinto Cão - 1999 - Dão (~27€)
52. Quinta dos Carvalhais Alfocheiro Preto - 1996 - Dão (~27€)
53. Quinta da Pellada Touriga Nacional - 1999, 2000 - Dão (~25€)
54. Quinta dos Carvalhais Touriga Nacional - 1998 - Dão (~25€)
55. Escolha Virgílio Loureiro - 1999 - Dão (~30€)
56. Borges Tinta Roriz - 1999 - Dão (~26€)
57. Borges Touriga Nacional - 1999 - Dão (~26€)
58. Quinta do Monte d'Oiro Reserva - 1997, 1999 - Estremadura (~45€, ~30€)
59. Quinta do Monte d'Oiro António Carqueijeiro - 1999 - Estremadura (~45€)
60. Quinta de Pancas Premium - 1999, 2000 - Estremadura (~45€)
61. Quinta de Pancas Touriga Nacional - 1997, 1998 - Estremadura (~30€)
62. Quinta de Pancas Cabernet Sauvignon - 1997 - Estremadura (~35€)
63. Quinta de Pancas Syrah - 2000 - Estremadura (~25€)
64. Quinta de Pancas Merlot - 2000 - Estremadura (~25€)
65. Quinta do Ribeirinho Baga pé franco - 1997 - Bairrada (~75€)
66. Quinta das Bágeiras Garrafeira - 1995 - Bairrada (~40€)
67. Luis Pato Vinha Pan - 1999, 2000 - Beiras (~30€)
68. Luis Pato Vinha Barrosa - 1999 - Beiras (~35€)
69. Luis Pato Vinha Barrio - 2000 - Beiras (~30€)
70. Luis Pato Quinta do Moinho - 1998 - Beiras (~30€)
71. Quinta For do Arouce - 1992 - Beiras (~25€)
72. Garrafeira CO - 1995 - Setúbal (~25€)
73. FSF - 1998 - Setúbal (~30€)
74. DSF Colecção Privada Syrah - 2000 - Setúbal (~26€)
75. DSF Colecção Privada Trincadeira - 2000 - Setúbal (~26€)
76. Quinta da Lagoalva Syrah - 1994, 1997, 2000 - Ribatejo (~25€)

Em resumo, ficam os números de marcas de vinho - 76 - disponíveis no mercado. O número de colheitas - 103 - segue, sensivelmente, a mesma distribuição:
  • 34.2% vindas do Douro (26 marcas);
  • 30.3% vindas do Alentejo (23 marcas);
  • 10.5% vindas do Dão (8 marcas);
  • 9.2% vindas da Estremadura (7 marcas);
  • 9.2% vindas da Beiras/Bairrada (7 marcas);
  • 5.3% vindas do Setúbal (4 marcas);
  • 1.3% vindas do Ribatejo (1 marca);
Dos números apresentados verifica-se que o Douro e o Alentejo são as regiões que comandam a lista e, logo, as que mais peso têm no panorama vinícola português; a Estremadura, à custa de apenas dois produtores, surge à frente de regiões outrora mais representativas; a zona das Beiras/Bairrada é maioritariamente representada pelo produtor Luís Pato, e o Ribatejo tem apenas 1 vinho na lista.

Tendo em atenção os dados referenciados, poder-se-á afirmar que um consumidor que queira ter, pelo menos, uma garrafa de cada uma das colheitas (103) dos vinhos apresentados, teria de dispender a módica quantia de 3800 Euros (~760 cts). Já se, e porque uma garrafa é uma quantidade frustante para ter na garrafeira, elevarmos o número de garrafas de cada colheita, para 4, o valor da Garrafeira subiria para 15 200 Euros (~3040 cts). Isto sem contabilizarmos os vinhos generosos, estrangeiros, e as próximas novidades (Batuta 2000, Tapada de Coelheiros Garrafeira 1999,...)!!!

O consumidor tem necessariamente que fazer opções. Tempos houve em que o panorama era outro e que se contavam pelos dedos da mão o número de marcas acima dos 25€. Os tempos são outros e, talvez isto signifique que o vinho Português esteja a atravessar uma época dourada. Mas o consumidor atento desconfia de uma lista tão alargada. Por outro lado, e infelizmente, o consumidor português ainda é pouco exigente e esclarecido, tornando-se mais fácil "correr atrás de nomes". Tem-se, no entanto, notado um certo acréscimo no interesse e exigência dos consumidores. E quando o número de consumidores entendidos aumentar, será que todas estas marcas conseguem sobreviver? Nao me parece.

De igual forma, o mercado dos vinhos para o segmento jovem começa a despertar curiosidade. São os grandes vinhos que, muitas vezes bebidos despreocupadamente, fazem despertar a paixão pelo vinho. Mas, estes preços limitam imenso os futuros consumidores de vinho, o que será prejudicial para o mercado. Mas uma coisa é certa: a avaliar pelo número de marcas com preços elevados, nao existe, neste momento, crise no mercado do vinho de mesa da gama alta em Portugal!