Fórum de Discussão Contactos

Últimos vinhos

arrow Bouchard Père & Fils Chassagne Montrachet 2006
arrow Brites de Aguiar 2006
arrow Casa de Santar Reserva branco 2007
arrow Casa do Lago Fernão Pires 2007
arrow Caves São João Reserva 2005
arrow Fiuza Premium Touriga Nacional / Cabernet Sauvignon 2006
arrow Fonseca 20 Anos (Engarrafado em 2007)
arrow Herdade de São Miguel Colheita Seleccionada 2007
arrow Hetszolo Tokaj Late Harvest 2006
arrow Muros Antigos Alvarinho 2007
arrow Pape 2006
arrow Poças Vintage 2005
arrow Quatro Caminhos Reserva 2005
arrow Quinta de Baixo Reserva branco 2006
arrow Quinta do Côro Cabernet Sauvignon 2005
arrow Quinta Vale da Raposa Tinto Cão 2004
arrow Remelluri Reserva 2003
arrow Terras de Lantano Albariño 2006
arrow Venâncio da Costa Lima Moscatel de Setúbal Reserva 2001
arrow Bacalhôa Moscatel Roxo 1998

Um compromisso

divider
Um compromisso
Autor: Tiago Teles
Data: 26 de Março de 2008
Tema: Opinião

Existem compromissos agrícolas que asseguram com maior rigor a originalidade de um vinho, atestando a expressão de um Terroir. Algumas correntes contemporâneas destacam a utilidade de práticas biológicas, incluindo a biodinâmica, que se baseiam na exclusão de herbicidas, insecticidas, bem como de outros produtos químicos que destruiriam directa ou indirectamente a vitalidade de um solo, ou na rejeição de práticas enológicas como a trasfega, filtração, passagens ao frio, leveduras artificiais, adição de sulfuroso e outras operações arbitrárias.

No entanto, e à força de se repetir que com uvas provenientes de uma agricultura própria o vinho se faz sozinho, encontramos hoje um elevado número de vinhos vulgares, bem ao ponto do idealismo se sobrepor ao bom senso. Sem a intervenção humana um vinho transforma-se rapidamente em vinagre. A natureza selvagem também necessita de disciplina! Quebrar repentinamente com uma herança de gerações, famílias que passaram anos a aperfeiçoar determinados gestos para tornar o vinho mais civilizado, é também um desrespeito pelo Terroir e pelas tradições associadas. Na prática, muitos ideólogos sem preparação científica desviam da videira e do vinho alguns ingredientes necessários ao seu bom desenvolvimento e equilíbrio.

Independentemente da prática assumida pelo produtor, que hoje também tem muito de marketing, o valor mais importante é o respeito e o contacto permanente com a natureza e com as tradições que a rodeiam. O homem deve aproximar-se da natureza, deve viver ao seu lado, deve trabalhar a vinha diariamente, evitando soluções de conveniência. A prática que melhor expressa um Terroir é uma forte dedicação e o trabalho humano no quotidiano. Não espanta que práticas vanguardistas como a biodinâmica, que misturam misticismo, sejam não só materializadas por homens e mulheres com uma boa dose de cepticismo cartesiano, postura que lhes permite praticar a biodinâmica de forma científica, mas também por pessoas que vivem a vinha com uma intensidade suplementar.

Porventura, tentar ser o mais biológico possível mas de forma pragmática é um bom compromisso. Existem também castas que encontram com maior naturalidade a desejada mineralidade, deixando falar o Terroir e a colheita. Mas tudo isso só é possível quando a natureza habita solos vivos, onde a biodiversidade ainda se sente, ainda convive...ou quando não limitamos os vinhos do mundo a “míseras” dez castas num universo de milhares!