Fórum de Discussão Contactos

Últimos vinhos

arrow Bouchard Père & Fils Chassagne Montrachet 2006
arrow Brites de Aguiar 2006
arrow Casa de Santar Reserva branco 2007
arrow Casa do Lago Fernão Pires 2007
arrow Caves São João Reserva 2005
arrow Fiuza Premium Touriga Nacional / Cabernet Sauvignon 2006
arrow Fonseca 20 Anos (Engarrafado em 2007)
arrow Herdade de São Miguel Colheita Seleccionada 2007
arrow Hetszolo Tokaj Late Harvest 2006
arrow Muros Antigos Alvarinho 2007
arrow Pape 2006
arrow Poças Vintage 2005
arrow Quatro Caminhos Reserva 2005
arrow Quinta de Baixo Reserva branco 2006
arrow Quinta do Côro Cabernet Sauvignon 2005
arrow Quinta Vale da Raposa Tinto Cão 2004
arrow Remelluri Reserva 2003
arrow Terras de Lantano Albariño 2006
arrow Venâncio da Costa Lima Moscatel de Setúbal Reserva 2001
arrow Bacalhôa Moscatel Roxo 1998

Cartas de vinhos...precisam-se!

divider
Cartas de vinhos...precisam-se!
Autor: Pedro Gomes
Data: 27 de Setembro de 2007
Tema: Opinião

Vivemos numa época em que é crescente a importância dada à associação/articulação entre a gastronomia e os vinhos. É natural que assim seja porque, efectivamente, o nível de satisfação obtido depende em larga medida da harmonização entre ambos. Uma ementa e uma carta de vinhos devem funcionar em uníssono, utilizando o mesmo “comprimento de onda” e denotando óbvia complementaridade.

Na maior parte dos casos, infelizmente, a restauração não consegue assegurar essa função junto dos seus clientes. E isto porque aquilo a que se convencionou chamar “Carta de Vinhos” não passa de uma mera “Lista de Vinhos” onde as únicas preocupações são a referência à região de origem e, nas melhores situações, ao ano de colheita. Ora, serão esses os únicos elementos que interessa fornecer ao consumidor? Aliás, serão esses os dados cruciais para que o consumidor consiga decidir-se pelo vinho que melhor harmoniza com o prato solicitado? É óbvio que não e, nessa medida, as listas de vinhos aparecem desajustadas da sua real função que é orientar o consumidor nas suas escolhas. No fundo, as listas de vinhos tornam-se “curtas” nos seus propósitos e, de pouco ou nada servem para quem pretender assegurar a melhor sintonia à mesa. Urge alterar este estado de coisas e a tarefa é bem menos complicada do que possa parecer.

De que forma é confeccionado este prato? Que ingredientes leva…? Acompanha com quê? Estas são algumas das perguntas habituais na restauração e em relação às quais, por norma, é dada resposta imediata pelos empregados de mesa. Em contrapartida, é raro obter o mesmo tipo de esclarecimentos em relação aos vinhos. Salvo raríssimas excepções, a restauração em Portugal descura a componente vinícola e a esmagadora maioria dos empregados de mesa não conhece os vinhos que integram a lista. É verdade que começa a haver uma preocupação crescente com a contratação de escanções. Ainda bem que assim é mas, aquilo que está aqui em causa não é tanto o saber usar um saca-rolhas, ter conhecimentos sobre temperaturas de serviço, ou estar perfeitamente por dentro dos procedimentos relativos à decantação de um vinho. Aquilo que aqui se discute é conhecer os vinhos que estão disponíveis num restaurante. Ora, contam-se pelos dedos das mãos os casos em que se domina essa vertente. A hotelaria/restauração em Portugal tem revelado preocupação com os aspectos relativos ao serviço de vinhos, mas, inexplicavelmente, tem descurado a vertente relativa ao aconselhamento de vinhos. Importa, pois, responder de uma forma muito clara às incertezas e dilemas do consumidor. Como? De que forma?

A resposta passa pela reformulação do conceito de “Carta de Vinhos” onde, para além dos elementos habituais, passe a constar um pequeno descritivo com as características de cada vinho. É claro que esse descrito deverá privilegiar uma linguagem simples e acessível à generalidade dos consumidores, privilegiando uma adjectivação inteligível para a maioria. Cair numa linguagem excessivamente técnica poderia tornar-se contraproducente. Mas, mais ainda; para além desse pequeno descritivo, cada vinho deveria aparecer acompanhado por sugestões de harmonização face à ementa proposta. Mais do que dispor de vinhos de qualidade, importa que a selecção de vinhos esteja em sintonia com os pratos que se oferecem. Nessa situação hipotética, o cliente passa a dispor de uma informação preciosa, porventura a mais importante para a sua decisão. A moderna gestão tem colocado o enfoque na assistência pós venda; contudo, no que concerne ao papel dos vinhos na restauração é vital actuar a montante, valorizando a assistência pré venda.

É curioso constatar como desde muito cedo os produtores de vinho perceberam que era vital “descodificar” o conteúdo das suas garrafas: o que são os contra rótulos senão uma forma de facilitar a empatia entre um determinado vinho e o consumidor. Não menos curioso é constatar a postura de total “apatia” com que a restauração tem encarado a comunicação com o consumidor. É chegada a hora da restauração adoptar um procedimento similar, procurando inovar, alterando princípios, reestruturando conteúdos e oferecendo cartas de vinhos que estabeleçam o entrosamento entre vinhos, gastronomia e… gosto pessoal.

Mas só isso não basta. Uma carta de vinhos quer-se dinâmica, adaptativa e evolutiva. Da mesma forma que alguma restauração tem o cuidado em elaborar duas ementas por ano, optando, e bem, por uma gastronomia adaptada às estações do ano, é imperioso que esses princípios se tornem extensíveis a uma carta de vinhos. De que serve dispor de rótulos sonantes se os mesmos aparecem completamente desfasados do contexto em que devem ser apreciados. Da mesma forma que o estilo rosé parece particularmente fadado para a época estival, há brancos que “funcionam” melhor no Inverno, assim como existem tintos que resultam bem com tempo quente. Alguma restauração se preocupa com estes aspectos? E contudo, a variabilidade climática em Portugal justifica a elaboração de duas cartas de vinhos por ano.

A ambição e o arrojo postos na elaboração de uma carta de vinhos podem chegar mais longe: porque não inverter a clássica estruturação das cartas vinhos que aparecem organizadas por denominações de origem?! Será esse o primeiro critério a merecer a atenção dos consumidores que buscam o casamento perfeito entre gastronomia e vinhos? Tenho sérias dúvidas. Imagine, então, em alternativa, uma carta de vinhos estruturada por estilos de vinhos: uma coisa do género “brancos leves e frutados”, “brancos minerais e austeros” “brancos robustos com estágio em madeira”, “tintos leves e macios”, “tintos potentes e especiados”, “tintos complexos e elegantes” e por aí fora. Uma diferenciação por estilos, com os vinhos acompanhados por pequenos descritivos e, finalmente, com uma ou duas propostas de harmonização gastronómica. E preservando obviamente os elementos relativos a denominações de origem, anos de colheita, teor alcoólico, etc. Numa época em que se privilegiam equilíbrios e harmonias, este tipo de reorganização de uma carta de vinhos seria muito mais funcional e útil para os consumidores. Isso sim, constituiria uma mais-valia inestimável para o consumidor. E, isso sim, seria uma verdadeira “Carta de Vinhos”.

Não é fácil uma pessoa aventurar-se por caminhos desconhecidos? As resistências à mudança são muitas? Não é fácil alterar mentalidades? Certamente que a resposta é afirmativa em qualquer dos casos. Mas também não é segredo para ninguém que a determinação e a capacidade de inovar constituem ingredientes essenciais para o sucesso. Contra ventos e marés…
 
* Este artigo será publicado na dirhotel (Revista da Associação dos Directores de Hotéis de Portugal) no seu número de Outubro/Novembro de 2007

.